sexta-feira, 31 de janeiro de 2020

Dora Ferreira da Silva


Moras num antiquário e nunca estás.
Um gato sonolento recebe instáveis visitantes
mas eu fico à espera. Conheço cada fresta da parede
suas manchas e os objetos estranhos que ninguém
pensa comprar: a pátina os cobre de suave indiferença.
Parecem meteoros expulsos de espaços
infinitos e eu sinto a esperança de ver-te
ainda que um só momento — ausente de ti mesmo
e a sós contigo. Aqui estou de joelhos. Imóvel.
Julgarias que lá estava — se tanto — uma pequena pirâmide
silenciosa. Ver-te-ia de pálpebras fechadas
teu modo de estar a sós tua possível neurastenia
debatendo-se no antiquário entre objetos.
E quando te fosses quem sabe desligarias
as pesadas correntes que me prendem.

[In Poesia Reunida, Rio de Janeiro, Topbooks, 1999]

Ailton Volpato

Quando visitas a humilde morada É festa, e a riqueza é o anúncio Da vitória. Estás sempre presente, Em ronda silente, Renovando o entusiasmo...