sexta-feira, 20 de maio de 2022

Alberto Bresciani

 

REFUGIADOS
 
No silêncio das florestas,
na solidão da cidade,
 
somos os refugiados
de um tempo em cinzas.
 
Desejamos tanto
e é pouco o que passou.
 
Sim, ouvimos vozes,
um certo rumor impreciso.
 
Chegamos a pensar
que não queremos mais,
 
apenas o sol onde está,
pássaros nos binóculos.
 
Este é um lugar
onde nada nos sobra.
 
(Em Hidroavião, 2020)


  • Arthur Rimbaud

      O Barco Bêbado Quando eu atravessava os Rios impassíveis, Senti-me libertar dos meus rebocadores. Cruéis peles-vermelhas com uivos terríve...