segunda-feira, 30 de novembro de 2015

Adriana Lisboa

POR UM INSTANTE DE PENUMBRA

Há sol demais por aqui. As sombras
expatriam-se dentro das coisas, sem uma
chance. A luz é cáustica,
esta luz de inquérito sob a qual o preso
não tem outra alternativa.
Você optaria por um mundo em claro-escuro,
mas tudo se revela (pior: se demonstra,
como num laboratório, como no corpo
aberto de uma cobaia) com enorme zelo e
não admite perfis, murmúrios, vislumbres.
Essa luz medonha que se esfrega
na sua cara — o quanto você não daria
por um instante de penumbra.
Por um segundo de indecisão.

[In Parte da Paisagem, São Paulo: Iluminuras, 2014]







sábado, 28 de novembro de 2015

Leonam Cunha

V

Ela é o veneno
Que eu escolhi
Para morrer sem sentir.
Noel Rosa
Acender-te-ei,

Em chamas que consomem a si,
Pelos teus seios de luas caladas

Mas que falam,
E ensandecem,
Feito os olhos nossos

Tragar-te-ei,
Para não usar de sinônimo,
Fumando-te por inteiro

Encher-me-ei de ti.
E ainda serás meu antídoto

VIII

Beber de teus poros
A água que brota feito gêiser
Do poço escuro que conservas
Em ti

Salgados como todos os lábios.
Crioulos, ou sem melanina.
O sal é tempero de ti

Morde-me com dentes fartos.
Teus olhos: bocas de baleia.
Engolem-me aos cardumes.
Entrançam as minhas pernas -
Caio sobre o tablado

Posso me levantar,
Carregando o mundo
Sobre meus ombros.
E um anjo pendurado ao braço,
Enquanto arrasto a duras penas
Um caído.

IX

Dai-nos, deuses,
O gozo.
Fazei-nos lembrar
Do gosto,
Da pulsação,
                      vital

Devorem-nos: pensamento,
Carne, perfuração, perjuro,
                               bênção.
A filosofia de tu e eu jogados
                                ao chão.

[In Dissonante, Sarau das Letras, Mossoró (RN), 2014]










sexta-feira, 27 de novembro de 2015

Eugénio de Andrade

MEDITERRÂNEO
Como no poema de Whitman um rapazito
aproximou-se e perguntou-me: O que é a erva
Entre o seu olhar e o meu o ar doía.
À sombra de outras tardes eu falava-lhe
das abelhas e dos cardos rente à terra. 

MADRIGAL MELANCÓLICO
Raramente lá vou, mas sempre
que passo na cidade, junto ao rio,
é o jardim que procuro primeiro,
onde o amigo colheu há tantos anos,
para me dar, a flor da canforeira.
Coimbra é ainda essa flor,
e na memória que bem que cheira.

[In Escrita da Terra, Poesia e Prosa (1940-1979), Imprensa Nacional Casa da Moeda, Vila da Maia, 1980, pp. 246-247]. 


quarta-feira, 25 de novembro de 2015

Giuseppe Ungaretti

.
A PIEDADE
1. 

Sou um homem ferido.

Quisera sair buscando
e finalmente alcançar
Piedade, onde se escuta
O homem que está só consigo.

Tenho apenas bondade e orgulho.

E me sinto exilado entre os homens.

Por isso mesmo sofro.

Não serei digno de tornar a mim?

Povoei de nomes o silêncio.

Despedacei coração e mente
para cair na servidão das palavras?

Reino sobre fantasmas.

Ó folhas secas,
alma levada aqui e ali...

Não, odeio o vento e sua voz
de besta imemorial.

Deus, aqueles que te imploram
não te conhecem mais que de nome?

Me expulsaste da vida.
Me expulsarás da morte?

Talvez o homem seja indigno de esperar.

Até a fonte do remorso está seca?

O pecado que importa
se já não conduz à pureza.

A carne se recorda apenas
que foi forte uma vez.

A alma se sente gasta e louca.

Deus, olha a nossa fraqueza.

Queremos uma segurança.

Já nem mesmo te ris de nós?

Sê compassiva, pois, crueldade.

Não mais suporto estar murado
no desejo sem amor.

Aponta-nos um traço de justiça.

A tua lei qual é?

Fulmina minhas pobres emoções,
liberta-me da inquietude.

Estou cansado de clamar sem voz.

[Henriqueta Lisboa, Poesia Traduzida, Reinaldo Marques e Maria Eneida Victor Farias, Belo Horizonte, Editora UFMG, 2001, pp. 255-257]

BY SABINE VAN DURMEN


domingo, 22 de novembro de 2015

Marize Castro

SENHAS

Não há último amor.
Há noites que se apaziguam.
Bosques a galope.
Labirintos que se enraízam.
Anjos que zelam hortos.
Moças que escrevem abismadas cartas
e, escarlates, enlouquecem.
Jogam-se — cerradas —
em qualquer movediço porto.

[In Esperado Ouro, p. 89]

Josef Kote

sábado, 21 de novembro de 2015

Carminha Gouthier

PAÍS SEM FRONTEIRAS

Ó Tu que remas,
qual o nome deste grande mar?
A água azul, de tão azul, tingiu meus olhos,
a água azul tingiu meus sonhos.

Perdi o rumo das enseadas
e o contorno dos mil países

Não quero caminho, não quero norte,
não quero agulhas de navegante.

Sei de terras lá muito longe,
de um palácio sem morador.
Sei de uma estrada — de onde vem?
que é longa e reta - para onde vai?

O tu que remas tão devagar,
As horas caem das tuas mãos.

Há luzes mortas nos horizontes
e estranho apelo para a solidão.

 By Ahmed Ammar


sábado, 14 de novembro de 2015

Rainer Maria Rilke

Amo as horas sombrias de meu ser,
nas quais se me aprofundam os sentidos:
nelas eu tenho achado, como em velhas cartas,
meu dia-a-dia já vivido, e feito
alguma lenda distante e sofrida.
Delas me vem a noção de que tenho
lugar numa outra vida mais ampla e infinita.

E eu às vezes me sinto feito a árvore
que, sobre um túmulo, madura e ciciante,
preenche o sonho de algum morto jovem
(a cuja volta ela aperta as raízes mornas)
perdido entre amarguras e cantigas.

[In Livro de Horas, Tradução de Geir Campos, Rio de Janeiro, Civilização Brasileira, 2ª ed., 1994]

By Ruth Doremus



quinta-feira, 12 de novembro de 2015

Cecília Meireles

CAMINHANTE

Ando em ti, Roma de altos ciprestes e largas águas,
como atrás de mim mesma,
algum dia depois da minha morte.

Encontro meus próprios anjos
de asas abertas em cada esquina
e meus olhos com pálpebras de pedra, 
em cada fonte:
— cheios até a borda.

Contemplo minhas abatidas colunas,
e a nenhuma porta paro,
e sobre nenhum jardim suspiro mais.

Ando em ti, Roma dos altos sonhos e das largas ruínas,
como depois de mim mesma,
atrás de um outro destino.

Ando, ando, ando,
e sinto a extensão de meus antigos muros
e, com profunda pena,
escuto a longa tuba mitológica
derramando para nuvens efêmeras
dispersas notícias atrasadas
de inútil Glória e possível Amor.

[In Poemas Italianos, Poesia Completa, Edição do Centenário, Organização, apresentação e estabelecimento do texto Antonio Carlos Secchin,  Vol. II, Rio de Janeiro,  Nova Fronteira, 2001, pp. 1150-1151]




quarta-feira, 11 de novembro de 2015

Gonçalo M. Tavares

VIDA
Salta entre animais e plantas;
entra na pedra e respeita a sua paciência;
apodera-se do animal e vai atrás do seu sangue,
da ousadia de movimentos que existe
numa luta de toiros rivais.
Ganha a forma de cada forma
e a vontade de cada vontade.
Faz mais barulho de noite para provar
que mesmo aquilo que não é visto, existe.
Enche de verde a erva
e de vermelho a cara ingênua da rapariga.
Aceita as maiores extravagâncias da matéria:
está viva a coisa que se enrola em si própria,
mas também a coisa muito alta com duas bocas ou nenhuma,
ainda a coisa ruidosa quando respira e a coisa silenciosa
(como a luz a encher boa parte do copo vazio).
Tudo está vivo porque a vida não escolhe: salva o que nasce,
aquilo em que tocas, aquilo que vês, ouves.
E até aquilo em que pensas. 

[In 1, poemas, Rio de Janeiro, Bertrand do Brasil, 2005, p. 114]

By Akira Sawada


terça-feira, 10 de novembro de 2015

Murilo Mendes

ESTUDO N° 4
Quando se acalmará
Esta doença fértil a que chamam Vida?
Não quero soletrar o horizonte
Nem seguir o desenho da onda na areia,
Nem quero conversar flores no campo idílico.
Quero antes correr a cortina sobre mim mesmo,
Transcender minha história
E esperar que Deus remova meu corpo.
Quero tudo, ou nada:
Todas as paixões, todos os crimes, delícias e propriedades.
Ou então mergulhar num saco de cinzas,
Montar num avião de fogo, e nunca mais descer.

POEMA BÍBLICO ATUAL
Nós esperamos a formação de trincheiras na nuvem
Esperamos ver os anjos reunindo os elementos
E as filhas do relâmpago empunhando fuzis.

Para que semear a árvore que vai dar a madeira do leito do assassino,
Para que tratar a terra, descobrir o metal destinado às metralhadoras,
Para que alimentar a criança que mais tarde abandonará os pais
[órfãos?

Deixa crescer a semente que Deus plantou na tua alma
E tua posteridade tranquila se multiplicará
Na proporção das areias do mar e das estrelas do céu.

Reconhece o teu limite e adora a mão do Senhor que te remove
Como um menino remove as peças do seu jogo de armar.

[In As Metamorfoses, Poesia Completa e Prosa, Rio de Janeiro: Nova Aguilar, 1994, pp. 323-324]

By Sabine Van Durmen‎


segunda-feira, 9 de novembro de 2015

Keats

A BELEZA EM CADA SER É UMA ALEGRIA ETERNA
A beleza em cada ser é uma alegria eterna:
o seu encanto torna-se maior e nunca se há-de perder
no nada; reservar-nos-á ainda um refúgio
de paz, onde adormeceremos habitados por sonhos
suaves, a felicidade do nosso corpo, uma respiração branda.
Comecemos, assim, a tecer em cada manhã
uma grinalda de flores para nos unirmos à terra,
apesar do desalento, da ausência daqueles
cuja nobreza amávamos, dos dias cheios de escuridão,
de todos os caminhos insalubres e misteriosos,
abertos para os nossos anseios; sim, apesar de tudo,
uma forma de beleza afasta o sudário
das nossas almas sombrias. Assim é o sol, a lua,
as antigas ou novas árvores cuja bênção faz germinar
a sombra sobre os humildes rebanhos; os narcisos
e o mundo verdejante que os cerca; e os límpidos rios
que para si criam um dossel de frescura
durante as estações ardentes; os silvados do bosque
enriquecidos pelo belo, nascente esplendor das rosas;
e, também, a magnificência do destino
que imaginamos para os mortos poderosos;
as histórias encantadoras que lemos ou escutamos:
fonte inesgotável duma imortal bebida,
que vem do limiar do céu e para nós se derrama.

E não é apenas por algumas horas passageiras
que nos abandonamos a estas essências; assim como as árvores
murmurando à volta dum templo logo se tornam
tão amadas como o próprio templo, também a lua
e a paixão da poesia, glórias infinitas, tantas vezes
nos assombram, até serem uma luz vivificadora
da alma, e com tanta firmeza nos cingem,
para que, esteja a brilhar o sol ou se apaguem os céus,
elas existam eternamente em nós, ou morreremos.

[In Poesia Romântica Inglesa, Byron, Shelley, Keats,  prefácio e tradução de Fernando Guimarães, Relógio D´Água, Lisboa, 2010, p. 113]

By Svetlana Rodionova


domingo, 8 de novembro de 2015

Gonçalo M. Tavares

O MAPA
Sempre senti a matemática como uma presença
Física; em relação a ela vejo-me
Como alguém que não consegue
Esquecer o pulso porque vestiu uma camisa demasiado Apertada
nas mangas.
Perdoem-me a imagem: como
Num bar de putas onde se vai beber uma cerveja
E provocar com a nossa indiferença o desejo
Interesseiro das mulheres, a matemática é isto: um
Mundo onde entro para me sentir excluído;
Para perceber, no fundo, que a linguagem, em relação
Aos números e aos seus cálculos, é um sistema,
Ao mesmo tempo, milionário e pedinte. Escrever
Não é mais inteligente que resolver uma equação;
Porque optei por escrever? Não sei. Ou talvez saiba:
Entre a possibilidade de acertar muito, existente
Na matemática, e a possibilidade de errar muito,
Que existe na escrita (errar de errância, de caminhar
Mais ou menos sem meta) optei instintivamente
Pela segunda. Escrevo porque perdi o mapa.

[In 1, poemas, Rio de Janeiro, Bertrand do Brasil, 2005, p. 161]

By Julie Ford Oliver

quarta-feira, 4 de novembro de 2015

Byron

NESTE DIA COMPLETO O MEU 36° ANIVERSÁRIO
É tempo de este coração permanecer insensível
porque já não pode comover o dos outros:
mas, se por ninguém eu posso ser amado,
ainda quero amar!

Os meus dias estão nas folhas já caídas;
as flores e os frutos do amor abandonaram-me;
a ninguém o verme, a gangrena e o desgosto
poderão pertencer!

Como uma ilha vulcânica, sozinho
o fogo vem consumir-se no meu peito;
não há nenhum lume que aí se reacenda
— uma chama funerária!

A esperança, o temor e o ciúme,
tudo o que é excessivo no sofrimento,
e o poder do amor, não posso compartilhar,
só lhes sofro as cadeias.

Mas não é assim — e não é neste lugar —
que deviam estes pensamentos abalar-me, nem agora
quando a glória enfeita o túmulo do herói
ou lhe coroa a fronte.

A espada, a insígnia e o campo de batalha,
a glória e a Grécia, contemplo à minha volta!
O guerreiro espartano, levado sobre o escudo,
não era mais livre.

Desperta (que a Grécia, ela está acordada!)
Desperta meu espírito! Pensa naquele
que faz correr o teu sangue vital para o lago materno
onde fica o seu destino.

Subjuga os desejos que despertam ainda,
virilidade indigna! — para ti
deveríam ser indiferentes o sorriso ou o duro
olhar da Beleza.

Para que vives, se lamentas a tua juventude?
Aqui fica o lugar de uma morte honrosa.
Caminha para a luta, e deixa que se apague
o teu último alento!

Procura — sem o procurar, tê-lo-ias encontrado —
o túmulo de um soldado, aquilo que mereces;
olha por fim à volta e escolhe este lugar,
aceita o teu descanso.

SOBRE LORD BYRON

[In Poesia Romântica Inglesa, Byron, Shelley, Keats,  prefácio e tradução de Fernando Guimarães, Relógio D´Água, Lisboa, 2010, pp. 33-35]


Murilo Mendes

REVELAÇÃO Quando me inclinei sobre a água, a estrela saíra, O parque elaborando curvas a seu gosto. Um rumor de pássaros fixou-se na folh...