sábado, 30 de junho de 2012

Alfredo Veiravé


OS SÍMBOLOS 

Existe um jardim da memória: olhai suas plantas
molhadas na chuva incessante, aproximai o rosto agora
a uma folha áspera e úmida e do chão
contemplai como se levantam de suas raízes
os monumentos que a vegetação cobre
com esquecimento.
Entretanto, existe outro jardim
mais próximo, ao nosso lado: impenetrável em seus ossos
e órgãos secretos, ali a vida parece ver suas 
     [relações 
apesar de nutrir-se sozinho, anda e usufrui em momentos
     [separados.
(Só o enfermo vê seu corpo na transparência
     [necessária,
só na febre o enfermo adivinha o rosto dessa
     [esfinge
que se desmorona.)
O certo é que, ali, a destruição se cumpre.

In Poesia Argentina, São Paulo: Iluminuras, 1990, p. 143, trad. Bella Jozef

Nasceu em  Gualeguay, Entre Ríos, Argentina, em 1928 e morreu em Resistencia, Chaco, no dia
22 de novembro de 1991. Um dos maiores poetas argentinos.

sexta-feira, 29 de junho de 2012

Clarice Lispector

EXCERTO DE "ÁGUA VIVA"

Na verdade ainda não estou vendo bem o fio da meada do que estou te escrevendo. Acho que nunca verei - mas admito o escuro onde fulgem os dois olhos da pantera macia. A escuridão é o meu caldo de cultura. A escuridão feérica. Vou te falando e me arriscando à desconexão: sou subterraneamente inatingível pelo meu conhecimento.

Escrevo-te porque não me entendo.

Mas vou me seguindo. Elástica. É um tal mistério essa floresta onde sobrevivo para ser. Mas agora acho que vai mesmo. Isto é: vou entrar. Quero dizer: no mistério. Eu mesma misteriosa e dentro do âmago em que me movo nadando, protozoário. Um dia eu  disse infantilmente: eu posso tudo. Era a antevisão de poder um dia me largar e cair num abandono de qualquer lei. Elástica. A profunda alegria: o êxtase secreto. Sei como inventar um pensamento. Sinto o alvoroço da novidade. Mas bem sei que o que escrevo é apenas um tom.

Nesse âmago tenho a estranha impressão de que não pertenço ao gênero humano.

Há muita coisa a dizer que não sei como dizer.

Faltam as palavras. Mas recuso-me a inventar novas: as que existem já devem dizer o que se consegue dizer e o que é proibido. E o que é proibido eu adivinho. Se houver força. Atrás do pensamento não há pala" vras: é-se. Minha pintura não tem palavras: fica atrás do pensamento. Nesse terreno do é-se sou puro êxtase cristalino. É-se. Sou-me. Tu te és.

E sou assombrada pelos meus fantasmas, pelo que é mítico, fantástico e gigantesco: a vida é sobrenatural. E caminho segurando um guarda-chuva aberto sobre cerda tensa. Caminho até o limite do meu sonho grande. Vejo a fúria dos impulsos viscerais: vísceras torturadas me guiam. Não gosto do que acabo de escrever - mas sou obrigada a aceitar o trecho todo porque ele me aconteceu. E respeito muito o que eu me aconteço. Minha essência é inconsciente de si própria e é por isso que cegamente me obedeço.

Estou sendo antimelódica. Comprazo-me com a harmonia difícil dos ásperos contrários. Para onde vou? e a resposta é: vou.

Quando eu morrer então nunca terei nascido e vi vido: a morte apaga os traços de espuma do mar na praia.

Agora é um instante. Já é outro agora.

E outro. Meu esforço: trazer agora o futuro para já. Movo-me dentro de meus instintos fundos que se cumprem às cegas. Sinto então que estou nas proximidades de fontes, lagoas e cachoeiras, todas de águas abundantes. E eu livre. .

Ouve-me, ouve meu silêncio. O que falo nunca é o que falo e sim outra coisa. Quando digo "águas abundantes" estou falando da força de corpo nas águas do mundo. Capta essa outra coisa de que na verdade falo porque eu mesma não posso. Lê a energia que está no meu silêncio. Ah tenho medo do Deus e do seu silêncio.

Sou-me.

In: ÁGUA VIVA, Rio de Janeiro: Ed. Nova Fronteira, 1980, pp. 28-30.




quinta-feira, 28 de junho de 2012

Paulo Leminski

Por um lindésimo de segundo 
       tudo em mim
anda a mil
       tudo assim
tudo por um fio
       tudo feito
tudo estivesse no cio
       tudo pisando macio
tudo psiu

       tudo em minha volta
anda às tontas
       como se as coisas
fossem todas
       afinal de contas


Minifesto 
        ave a raiva desta noite
a baita lasca fúria abrupta
        louca besta vaca solta
ruiva luz que contra o dia
        tanto e tarde madrugastes

        morra a calma desta tarde
morra em ouro
        enfim, mais seda
a morte, essa fraude,
        quando próspera

        viva e morra sobretudo
este dia, metal vil,
        surdo, cego e mudo,
nele tudo foi e, se ser foi tudo,
        já nem tudo nem sei
se vai saber a primavera
        ou se um dia saberei
que nem eu saber nem ser nem era


(do livro Distraídos Venceremos)

Fonte: pauloleminskipoemas.blogspot.com

quarta-feira, 27 de junho de 2012

Sophia de Mello Breyner Andresen

AUSÊNCIA
Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua

Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda que a tua.

In OBRA POÉTICA, Alfragide: Caminho, 2011, p. 325

POEMA DE HELENA LANARI 
Gosto de ouvir o português do Brasil
Onde as palavras recuperam sua substância total
Concretas como frutos nítidas como pássaros
Gosto de ouvir a palavra com suas sílabas todas
Sem perder sequer um quinto de vogal

Quando Helena Lanari dizia o "coqueiro"
O coqueiro ficava muito mais vegetal

In OBRA POÉTICA, Alfragide: Caminho, 2011, p.517

terça-feira, 26 de junho de 2012

Carlos Drummond de Andrade

ADEUS AO COLÉGIO 


ADEUS COLÉGIO, adeus vida
vivida sob inspeção, 
dois anos jogados fora 
ou dentro de um caldeirão
em que se fritam destinos
e se derrete a ilusão. 
Já preparo minha trouxa 
e durmo na solidão.
Amanhã cedo retiro-me,
pego o trem da Leopoldina, 
vou ser de novo mineiro. 
Da angústia a lâmina fina 
começa a me cutucar. 
É uma angústia menina,
ganhará forma de cruz
ou imagem serpentina.
Sei lá se sou inocente
ou sinistro criminoso. 
Se rogo perdão a Deus 
ou peço abrigo ao Tinhoso. 
Que será do meu futuro 
se o vejo tão amargoso? 
Sou um ser estilhaçado 
que faz do medo o seu gozo. 

II 

Nada mais insuportável do que essa viagem de trem. 
Se me atirassem no vagão de gado a caminho do matadouro
talvez eu me soubesse menos infeliz. 
Seria o fim, e há no fim uma gota de delícia,
um himalaia de silêncio para sempre. 
Não quero ouvir falar de mim. 
Não quero eu mesmo estar em mim. 
Quero ser o barulho das ferragens me abafando,
quero evaporar-me na fumaça, 
quero o não querer, quero o não-quero.
Como custa a chegar o chão de Minas.
Será que se mudou ou se perdeu? 
Olho para um lado. Para outro. 
O esvoaçar de viuvez 
no todo preto da senhora à esquerda, 
no preto dos vestidos, das meias e sapatos
de duas mocinhas de olhos baixos, 
não tão baixos assim. Essa os levanta 
cruza com os meus, detêm-se. O luto evola-se.
É um dealbar no trem tristonho, 
sonata em miosótis, aragem na avenca 
súbito surginte 
em jarra cristalina. 
Cuidados meus, desgraças minhas, 
eia, fugi para bem longe. 
O idílio dos olhos vos expulsa, 
como expulso fui eu, ainda há pouco, 
de outra forma - que forma? nem me lembra. 
Vem do céu a menina e a ele me leva, 
leves, levíssimos os dois. 
Palavra não trocamos: impossível, 
mãe presente. 
E para que trocá-las, se nem sei 
se vigoram palavras nesta esfera
diáfana, a que me vejo transportado?
Nem ideia de amor acode à mente, 
que o melhor de amar não é dizer-se, 
nem mesmo sentir-se: é nos abrir 
a mais sublime porta subterrânea.
Estou iluminado 
por dentro, no passado,
no futuro mais longínquo 
e meu presente é não estar no tempo
e alçar-me de toda contingência. 
De banco de palhinha a banco de palhinha,
entre fagulhas de carvão 
fosforescentes na vidraça, 
entre conversas e pigarros, 
diante do chefe-de-trem que picota bilhetes,
torna-se a vida bem não desgastável 
se a menina sorri 
quase sem perceber que está sorrindo.
Nem a irmã reparou. Mas eu colhi 
a laranja de flores deste instante 
que vou mastigando como um deus. 
Foi preciso sofrer por merecê-la? 
Agora que a alcancei, não deixo mais
este comboio, este sol. .. 

III 

Por que foi que inventaram 
a estação de Entre Rios? 
E por que se exige aqui baldeação
aos que precisam de Minas? 
Já não preciso mais. Vou neste trem
até o infinito dos seus olhos. 
Advertem-me glacialmente: 
"Tome o trem da Central e vá com Deus". 
Como irei, se vou sozinho e sem mim mesmo
se nunca mais, se nunca mais na vida 
verei essa menina?
Expulso de sua vista
volto a saber-me expulso do colégio
e o Brasil é dor em mim por toda parte.

In POESIA E PROSA, Rio de Janeiro: Ed. Nova Aguilar, 1992, 681-684




quinta-feira, 21 de junho de 2012

Geraldo Holanda Cavalcanti

RECEITA DE SABEDORIA

Devagar não se chega nem na esquina
Quem espera sentado nunca alcança
Dos males que ofereçam nada queira
O que morre primeiro é a esperança


As contas claras perdem os bons amigos
Calando a prata você perde o ouro
Se hoje não fizer, tempo há depois
Acordar tarde não é nenhum desdouro


Faça o que digo e não faça o que eu faço
Quem quer comanda, é quem não quer que pede
A mão que lava a outra não é a mais limpa
Às vezes a verdade também fede

In POESIA REUNIDA, Rio de Janeiro: Bertrand Brasil, 1998, pp. 205-206.

quarta-feira, 20 de junho de 2012

Sophia de Mello Breyner Andresen

JARDIM

Alguém diz:
"Aqui antigamente houve roseiras" -
Então as horas
Afastam-se estrangeiras,
Como se o tempo fosse feito de demoras.

In OBRA POÉTICA, Alfragide: Caminho, 2011, p. 46

terça-feira, 19 de junho de 2012

Manoel de Barros

VENTO 
Se a gente jogar uma pedra no vento
Ele nem olha para trás.
Se a gente atacar o vento com enxada
Ele nem sai sangue da bunda.
Ele não dói nada.
Vento não tem tripa.
Se a gente enfiar uma faca no vento
Ele nem faz ui.
A gente estudou no Colégio
que vento é o ar em movimento.
E que o ar em movimento é vento.
Eu quis uma vez implantar uma costela no vento.
A costela não parava nem.
Hoje eu tasquei uma pedra no organismo do vento.
Depois me ensinaram que vento não tem organismo.
Fiquei estudado.


In POEMAS RUPESTRES, São Paulo: Record, 2004, p. 37

segunda-feira, 18 de junho de 2012

Augusto dos Anjos

GUERRA


Guerra é esforço, é inquietude, é ânsia, é transporte...
É a dramatização sangrenta e dura
Da avidez com que o Espírito procura
Ser perfeito, ser máximo, ser forte.

É a subconsciência que se transfigura
Em volição conflagradora... É a coorte
Das raças todas, que se entrega à morte
Para a felicidade da Criatura.

É a obsessão de ver sangue, é o instinto horrendo
De subir, na ordem cósmica, descendo
À irracionalidade primitiva...

É a Natureza que, no seu arcano,
Precisa de encharcar-se em sangue humano
Para mostrar aos homens que está viva!

In: Eu e Outras Poesias, Rio: Bedeschi, 1945, 13a. ed, p. 220

Marguerite Duras

EXCERTO  DE  "CADERNOS DA GUERRA E OUTROS TEXTOS"
Entre todas as cidades eu gosto daquelas, daquelas que se parecem com Sarzana, Marina di Carrara, Aen e certas cidades corsas, Bonifácio, Pontevecchio, Toulon também, as cidades sem árvores (Florença também, a coisa mais chocante é que não há uma única árvore em Florença) nas praças ardentes que, do meiodia às três horas, se esvaziam, se fecham, ficam completamente mortas. Geralmente essas cidades são sujas, cheiram a cebola, excremento de cavalo e, como estão à beira-mar, a peixe. As casas são velhas, mal construídas, pobres, populosas, as entradas e os corredores cheiram a mofo, não há jardins, na praça uma fonte da qual sai um filetezinho de água. Os frontispícios são raros, encaixam-se em janelas, há meias, embalagens, cartões postais, macacões de trabalho. Tudo desmorona nessas cidades, as calçadas desmoronaram, o varredor público dorme da uma às três, só há um varredor para a cidade toda, pois a municipalidade é pobre, e nas sarjetas acumula-se lixo. Essas cidades são varridas pelo vento do mar que se levanta lá pelas três da tarde e então, nas praças vazias, a poeira se levanta em nuvens, a poeira dessas cidades é fina, salgada, cheira a urina, ela está por toda parte, os buxos do jardim do padre (as únicas plantas da cidade) ficam cobertos por ela, e as crianças têm os pés empoados com ela. 

Quando chove no final de agosto essas cidades exalam, como nenhuma outra, a poeira de cinco meses de verão, de podridões de toda sorte, incham e exalam seus odores de carnes molhadas. Essas cidades não são feitas para agradar, são mercados onde vêm se abastecer os moradores dos campos vizinhos. Em seus arredores perambulam mascates, cinemas ambulantes. Essas cidades são para mim as mais eróticas do mundo. Cidades de sombra, de sol. A sombra contrastante. A sombra é erótica. 

É com essas cidades, dizia eu a mim mesma, que sonha Gaston, o varredor. 

[In Cadernos da guerra e outros textos, são Paulo: Estação Liberdade, 2006, p. pp. 243-244]




sábado, 16 de junho de 2012

Paul Géraldy

VOZES

Você fez mal! Você fez mal! Você compreende ?
Você  fez muito mal!. .. Você sabe que fez!...
Mas você quer fazer apenas o que entende!...
Não chore, vamos! Não adianta nada. Em vez
disso, tome o seu chá! Pronto! Já há mais de uma hora
que estamos discutindo, há mais de uma hora já!
Vamos mudar de assunto, sim?...  Tome o seu chá !...
Já sabe: se você chorar, eu vou-me embora!...
Mas o que foi que eu disse? O que é que você tem?
Pois bem, seja: fui eu quem fez mal, muito mal...
Agora, enxugue os olhos, vamos!... Afinal,
você sabe, não é? Como eu lhe quero bem!...
Que foi?... Eu?... Como foi? ... Mas se eu nem lhe toquei!...
Onde foi? Deixe ver!... Quer um beijo?... Esqueçamos
tudo isso... Mas tudo isso já passou, eu sei...
E não se zangue mais!...  Tome o seu chá, sim? Vamos!
Não ponha o pó de arroz agora!  Meu amor ...
Tome o meu lenço: o seu está todo molhado.
Quer um pouco de leite em seu chá? Deixe por!
Um quase nada...  É sempre assim: fico irritado,
grito e, por mais que grite, eu cedo sempre, creia!
E esses olhos que estão tão magoados, tão mal,
tão vermelhos! Sorria um pouco! E então? Que feia!
Vamos! Um beijo. Assim. Pronto. Ponto final.

EU E VOCÊ, são Paulo: Companhia Editora Nacional, 1977, 15a. ed., trad. Guilherme de Almeida

Yann Andrea

Aquele Amor

"Continuo em ter dificuldade em dizer a palavra. Não conseguia dizer o nome dela. Só escrevê-lo. Nunca consegui tratá-la por “tu”. Por vezes ela teria gostado. Que eu a tratasse por “tu”, que a chamasse pelo seu nome. Não me saía da boca, não conseguia. (...) E essa impossibilidade de a chamar pelo nome, acho que vem disto: primeiro li o apelido, olhei para o apelido, o nome e o apelido. E esse nome encantou-me imediatamente. Esse pseudónimo literário. Esse apelido emprestado. Esse nome de autor. Esse nome agradava-me simplesmente. Esse nome agrada-me infinitamente (...)

Sou um leitor. O leitor primordial, visto amar todas as palavras, integralmente, sem qualquer contenção. E esse nome de cinco letras, DURAS, amo-o absolutamente. Caiu-me em cima. Nunca mais a deixei e não a consigo deixar. Nunca. E ela também não.

Mantém-me fechado no quarto escuro. Não suporta que qualquer outra pessoa possa ver-me. Quer ser a preferida. A única. De todos. De toda a gente. E eu, do mesmo modo, sou o preferido.

Gostamos um do outro.

Gostamos infinitamente um do outro.

Gostamos um do outro de modo absoluto.

Você morreu a 3 de Março de 1996 às 8 horas e 15, na sua cama, na rua Saint-Benoît. Eu não vim. Deixei-a. Você morreu. Eu não. Eu fiquei cá e estou aqui a escrever-lhe. E isto fá-la rir: mas por quem é que ele se toma, por um escritor, esta agora. Você ri. E diz: não tem mais nada para fazer, só escrever, não interessa o quê, continue, tem um tema maravilhoso, um tema de ouro, sou eu que lho digo, vá, pare de se armar em parvo, escreva, não vale a pena matar-se, não se faça de imbecil.

Qual é o tema.

E então aparece o sorriso. A sua cara torna-se numa cara de criança, uma criança que sabe, que sabe tudo na inocência perfeita de um ser inaudito. Nesse sorriso da cara toda, da cabeça toda, do espírito todo, do coração todo, poder-se-ia dizer, você diz: o tema sou eu.

Se calhar não devia ter dormido, se calhar devia tê-la ouvido mais, estar mais presente, amar mais, nunca o fazemos o suficiente, não podemos imaginar que o último dia está muito próximo, não podemos porque você fala noites a fio, deveríamos, sim, fazer mais, mas o quê, inventar uma espécie de amor ainda maior do que aqueles livros, mas como fazê-lo, como é possível. Certas noites eu queria dormir e dizia-lhe para se ir embora, para ir para o seu quarto, sozinha perante a morte, certas noites já não aguentava mais, mandava-a embora, fazia-o e nunca uma queixa, ia para o seu quarto furiosa à espera de morrer. No dia seguinte voltava.

Estamos sozinhos fechados neste apartamento da rua Saint-Benoît. Esperamos pelo último dia. Só sabemos isso".

Excertos – Yann Andréa, Aquele Amor, Lisboa, Quetzal Editores [acerca do seu amor pela escritora e cineasta Margerite Duras] 

Fonte: http://paraaposteridade.blogspot.com.br/

sexta-feira, 15 de junho de 2012

Marguerite Duras

EXCERTO DE "OLHOS AZUIS CABELOS PRETOS"
Sem dúvida ainda é noite. Nenhuma claridade chega do lado de fora. Em torno dos lençóis brancos, o homem que caminha, que se volta.
O mar chegou em frente ao quarto. A manhã não deve estar longe. É o mar insone que está ali, bem próximo às paredes. É mesmo o seu rumor, vagaroso, exterior, aquele que leva a morrer.
Ela abriu os olhos. Eles não se olham.
Há várias noites que isso acontece.
Nenhuma definição exterior se apresenta para explicar o que estão vivendo. Nenhuma solução para evitar o sofrimento.

Ela dorme. Ele chora.

Chora por uma imagem distante da noite de verão. Precisa dela, da sua presença no quarto para chorar o jovem estrangeiro de olhos azuis cabelos pretos.

Sem ela no quarto a imagem permaneceria estéril, dessecaria seu coração, seu desejo.
O corpo, ele não o vira. Apenas que usava roupas brancas, uma camisa branca.
Pálido, era pálido, vinha do Norte, do país secreto.
Alto.
A voz, ele não sabe.
Parou de se mexer. Refaz o trajeto do parque do hotel à janela do vestíbulo.
Ouve, olhos fechados. Ouve o grito. Continua não percebendo nenhuma palavra, nenhum sentido. Quando abre os olhos já é muito tarde, o corpo de olhos azuis caminha em silêncio para a janela aberta.
A ela, não fala dele. Não lhe passa pela cabeça. Não fala de sua vida. Nunca pensou que se pudesse fazê-lo. As palavras não estão ali, nem a frase onde colocar as palavras. Para eles dizerem o que lhes acontece há o silêncio ou então o riso ou, às vezes, por exemplo, com elas, chorar.
Ela o olha. É assim que o vê em sua ausência, tal como está ali. Repleto de imagens mudas, embriagado de sofrimentos diversos, do desejo de recuperar um objeto perdido assim como de comprar um que ainda não possui e de repente se transforma em sua razão de ser, essa roupa, esse relógio, esse amante, esse carro. Onde quer que esteja, o que quer que faça, sempre um desastre particular.
Ela pode olhá-lo por muito tempo, noites. Ele percebe que seus olhos estão abertos. Sorri para ela como se tivesse sido de alguma forma desmascarado, contrito, sempre na interminável desculpa por viver, por ter de fazê-lo.

[In "Olhos Azuis Cabelos Pretos",  Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1986, pp. 48-51]


terça-feira, 12 de junho de 2012

Marly de Oliveira

O PENSAMENTO ABERTO

1. Adsum, Domine. De novo,
enclausurada e feliz,
diante desta paisagem
como num convento antigo,
onde altos muros escondiam
os sofrimento secretos,
mais os secretos caminhos
que levavam a um destino,
de forma tão poderosa
que até hoje o não entendo,
como quem perdeu a rota.

2. Só que já não sou aquela
que aceitava como serva
as imposições do mundo.
Vou percorrer outras terras,
onde se possa lutar
contra setas desferidas,
impiedosos arpões,
estando mais prevenida.
Ou melhor, tão sem cuidados,
que já não seja atingida.

3. Como se fosse possível!
que os desastres, já diziam
os antigos, hão de vir,
ou melhor, se hão de sentir,
sem prévia desconfiança.
Que o destino quando abranda,
nem sempre mais favorece:
como a chama de outra chama
não só nasce, encorpa e cresce;
umas vezes ilumina,
outras, destrói, como o galho
seco, atirado à fogueira,
a alimenta enquanto queima.

4. No entanto, vejo bem claro:
o menos que abandonei
seria suficiente
para abrandar esta pena
que mais cresce quanto mais
se me oculta na aparência.

5. Deslizando sobre a areia
de nenhum céu, não será
este o indício sorrateiro
de uma luz atrás da ponte,
com o movimento perfeito
da praia-leito de um rio,
que corre só na memória
enternecida com o frio?

6. Mas se se visse perdida
a ilusão em que se anda,
do quanto o tento e a firmeza
não bastam para confiar
naquilo em que acreditamos,
se nos dobrava a tristeza;
se nos pesava no dedo
o anel do azul mais turquesa,
o encarnado dos rubis
incrustado em ouro e seda.

7. No entanto, outra é a lei
que comanda que se viva
e conserve altivo o olhar
(bem que de boca ferida),
destronado o sonho, à espera
do que algum dia viria.
Onde estão os servidores,
os afeitos às matinas,
os impérios conservados
pela escrita dos antigos?

8. Velhos mosteiros, histórias
que convocam com paixão
para assembleias mais íntimas,
para desordens mais fortes
que fazem esquecer tormentos
e dão brio a outras batalhas
ainda mais ferozes.

9.  E chega a vez do delírio,
mas ninguém é coroado.
Antes, o sair desgovernado
o leva a estranhos caminhos.
Perdi-me? perdeu-se o rastro?
Ninguém me cingiu de fato
a cintura, o peito, o braço?
Ninguém para me impedir
o previsível naufrágio?

10. Esta a mágica prisão:
esporear um cavalo,
sem brida, um touro, um leão,
sem direito à explosão
que tem na floresta virgem,
se florestas ainda existem
tão perto do coração.

11.  Um cavalo de batalha,
um touro, um leão domado,
iguais na sina (ou no fado),
com clavículas feridas,
sem coragem para a vida.

12.  Ah, como não voltar atrás
no tempo, no espaço, na vida,
a que poderia ter sido
(segundo o poeta) e não foi.
Recolher-se à própria escrita,
como aquele que semeia,
que planta e replanta a terra,
com a força do sangue na veia.

13. Por fazer-lhe honra é preciso
que a defendam os vassalos,
e a amparem, obrigação
tão grande que o arredar-se dela
é não só cometer perigos
como fazer qualquer esforço
que a ninguém aproveitasse
e que a ninguém fosse sensível.

14. Direto à limpidez,
à transparência viva
de alguma gota d' água
sobre a asa de urna abelha.
E encerrar o discurso
que se vai alongando
certa de que está faltando
o que mais importava
ao longo do percurso.


In: O Deserto Jardim, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1990, pp. 43-56

sábado, 9 de junho de 2012

Flávio Boaventura


RECEITUÁRIO 

para Francisco Iglésias, meu amigo do peito. 

Caeiro me devolve à terra
Lorca me tira da forca
Gide me divide em gomos
Mann me sopra um ar de montanha
Malraux minha condição assanha
Hesse uivando me eleva à estepe
Camus estrangeiro caminha todo dia comigo
Yourcenar não queixa minha calma roxa
Rosa não deixa minha alma rasa
Sartre vive me responsabilizando
Bandeira tremula na minha cabeça cores
Guimaraens me esguicha as dores
Rabelais me cura de mim
Cecília me dá o braço e passeamos no jardim
Drummond detecta meu avesso
Cabral desvenda meu gemido avulso
Murilo dispara meu pulso.


CENA CINICAMENTE MINEIRA 

Meu pai nasceu semi-árido
minha mãe nasceu semi-ávida
minha irmã nasceu semigrávida
eu apenas nasci

na minha família tudo que nasce
registra-se na madeira covarde
árvore madura de tanta lei
na minha família tudo arde

meus tios estiolados bebiam
minhas tias tísicas de tanta dor rezavam
até o dia esmorecer
depois a noite vomitava estrelas.

Da obra MOTIM, Belo Horizonte: Mazza Edições, 1980, 96p.


quinta-feira, 7 de junho de 2012

Manoel de Barros

MUNDO PEQUENO 

Aromas de tomilhos
dementam cigarras. 
SOMBRA-BOA 

I

O mundo meu é pequeno, Senhor.
Tem um rio e um pouco de árvores.
Nossa casa foi feita de costas para o rio.
Formigas recortam roseiras da avó.
Nos fundos do quintal há um menino e suas latas
maravilhosas.
Seu olho exagera o azul.
Todas as coisas deste lugar já estão comprometidas
com aves.
Aqui, se o horizonte enrubesce um pouco, os
besouros pensam que estão no incêndio.
Quando o rio está começando um peixe,
Ele me coisa
Ele me rã
Ele me árvore.
De tarde um velho tocará sua flauta para inverter os
ocasos.

Manoel de Barros, Poesia Completa, são Paulo: Leya, 2010, p. 315

García Lorca

RUÍNA
A Regino Sainz de la Maza

Sem encontrar-se
Viajante pelo seu próprio torso branco.
Assim ia o ar.

Logo se viu que a lua
era uma caveira de cavalo
e o ar uma maçã escura.

Detrás da janela,
com látegos e luzes se sentia
a luta da areia contra a água.

Eu vi chegarem as ervas
e lhes lancei um cordeiro que balia
sob seus dentezinhos e lancetas.

Voava dentro de uma gota
a casca de pluma e celulóide
 da primeira pomba.

As nuvens, em manada,
ficaram adormecidas contemplando
 o duelo das rochas contra a aurora.

Vêm as ervas, filho;
já soam suas espadas de saliva
pelo céu vazio.

Minha mão, amor. As ervas!
Pelos cristais partidos da morada
o sangue desatou suas cabeleiras.

Tu somente e eu ficamos;
prepara teu esqueleto para o ar.
Eu só e tu ficamos.

Prepara teu esqueleto;
é preciso ir buscar depressa, amor, depressa,
nosso perfil sem sonho.

Federico Garcia Lorca, Romanceiro Gitano e outros Poemas, Rio de Janeiro: José Aguilar Editora, 1974, p. 134



Cora Coralina

PÃO-PAZ

O Pão chega pela manhã em nossa casa.
Traz um resto de madrugada.
Cheiro de forno aquecido, de levedo e de lenha queimada.
Traz as mãos rudes do trabalhador e a Paz dos campos cheios.
Vem numa veste pobre de papel. Por que não o receber
numa toalha de linho puro e com as mãos juntas
em prece de gratidão?

Para fazê-lo assim tão fácil e de fácil entrega,
Homens laboriosos de países distantes
E de fala diferente trabalharam a terra, reviraram,
Sulcaram, gradearam, revolveram, oxigenaram e lançaram a semente.

A semente levava o seu núcleo de vida. O sol, a umidade
o sereno, o calor e a noite tomaram dela, e fez-se o milagre da germinação.
O campo se tornou verde em flor, e veio junto o joio, convivente, excrescente,
Já vigente nas parábolas do Evangelho.
O trigal amadureceu e entoou seu cântico de vida
num coral de vozes vegetais.

Venham...venham...venham...
E vieram os ceifeiros e cortaram o trigo,
e arrancaram e queimaram o joio.

Cortaram e ajuntaram os feixes.
malharam e ensacaram o grão.
E os grandes barcos graneleiros o levaram
por caminhos oceânicos a países diferentes
e a gentes de fala estranha.

Foi  transportado aos moinhos.
As engrenagens moeram, desintegraram.
Separaram o glúten escuro, o próprio e pequenino coração
do trigo até as alvuras do amigo
de que se faz o pão alvo universal.

Transformaram a semente dourada
num polvilhamento branco de leite, que é levado
às masseiras e cilindros
onde os padeiros de batas e gorros brancos
Ensejam, elaboram e levedam a massa.
Cortam, recortam, enformam, desenformam
e distribuem pelas casas,
enquanto a cidade dorme.

O Padeiro é o ponteiro das horas, é o vigia do forno
quando a cidade se aquieta e ressona.
É o operário modesto, tranqüilo e consciente
da noite silenciosa e da cidade adormecida.
É mestre e dá uma lição
de trabalho confiante e generoso.

Pela manhã a padaria aberta, recendente,
é a festa alegre das ruas e dos bairros.
Devia ter feixes de trigo enfeitando suas portas.

É por esse caminho tão largo, tão longo,
tão distante e deslembrado que o pão vem à nossa casa.
Ele chega cantando, ele chega rezando
 e traz consigo uma bandeira branca de seis letras: Pão-Paz.

Haverá sempre esperança de paz na Terra
Enquanto houver um semeador semeando trigo
e um padeiro amassando e cozendo o pão,
enquanto houver a terra lavrada e o
eterno e obscuro labor pacífico do homem,
numa contínua permuta amistosa dos campos e das cidades.

Para chegar a nossa casa em ritmo de rotina,
o Pão fez sua longa caminhada na terra  e nos mares.
Passou de mão em mão
como uma grande bênção de gerações pretéritas.

Graças pela hóstia consagrada
Que é Pão e Vida.
Pão da reconciliação do Criador com o pecador
recebido na hora extrema.
Fazei, Senhor, com que as sobras das mesas fartas
Sejam levadas em Vosso nome àqueles que nada têm
E que a códea largada na abundância
Nunca seja lançada com desprezo.
Haverá sempre uma boca faminta a sua espera.
Graças, Senhor, pelo primeiro semeador
Que lançou a primeira semente na terra
E pelo homem que amassou, levedou e cozeu o primeiro pão.
Graças, meu Deus, por essa bandeira branca de Paz
que traz a certeza do pão.
Graças pelas mil vezes que os Livros Santos
escrevem e confirmam
 a palavra generosa e suave: Pão.

“Havia um partir de pão em casa de Onesíforo quando
Paulo ali entrou com seus amigos” (Epístola).




Cora Coralina, Meu livro de Cordel


Daniel Lima

O retrato na parede
ri de mim, emoldurado.

Sou tão velho no retrato;
que nem pareço comigo.

Até lembra um tio antigo
que devo ter tido um dia,
ridículo como um retrato
de parente na parede.

Terei tido aquele riso,
assim parado, idiota?
Aquele ar, demente,
de quem pensa, deslumbrado,
que está sendo inteligente?

Serei eu nesse retrato, transpirante de burrice
e com o ar contagioso
de leviana estultice?
Daniel Lima, Poemas, Recife: Cepe, 2011, p. 231

quarta-feira, 6 de junho de 2012

Antônio Cícero


HUIS CLOS

Da vida não se sai pela porta:
só pela janela. Não se sai
bem da vida como não se sai
bem de paixões jogatinas drogas.
E é porque sabemos disso e não
por temer viver depois da morte
em plagas de Dante Goya ou Bosh
(essas, doce príncipe, cá estão)
que tão raramente nos matamos
a tempo: por não considerarmos
as saídas disponíveis dignas
de nós, que em meio a fezes e urina,
sangue e dor nascemos para lendas,
mares, amores, mortes serenas.

Copiado de http://umpoucodepoesia-msframos.blogspot.com.br

segunda-feira, 4 de junho de 2012

Adélia Prado

Glória filosofava: toda vez que se diz "o inconsciente coletivo" ele me parece um personagem. Tal qual o bufão que entremeia as cenas no teatro, papel cuja suprema importância será revelada a todos no final. "O inconsciente coletivo" como "o Sobrenatural de Almeida" que o cronista inventou pra justificar o injustificável, o sem explicação no futebol. Confio no inconsciente coletivo, simpatizo em extremo com ele, deposito-lhe inabalável confiança. Descobri-lo me descansou da angústia catequética com as professoras na greve, com os filhos, com os alunos. Deus responderá ao nosso labor através do inconsciente coletivo. Na hora agá espero vê-lo interromper a cena escabrosa, com os sapatos imensos, a luz piscando no nariz ou no traseiro, conforme os palhaços gostam, e fazer sua intervenção, sua opção pela claridade, pelo brilho da espada, se for preciso. Pela misericórdia. O inconsciente coletivo quer um país com rebanhos e lavouras de milho, viola, namoro, noivado, casamento, dor de parto, panelas fumegantes e o que mais urge pra todo ser humano, em qualquer canto do mundo, suspirar e dizer:  GRACIAS A LA VIDA.

In: Cacos para um Vitral, pp. 86-87

sexta-feira, 1 de junho de 2012

Clarice Lispector

A REPARTIÇÃO DOS PÃES
Era sábado e estávamos convidados para o almoço de obrigação. Mas cada um de nós gostava demais de sábado para gastá-lo com quem não queríamos. Cada um fora alguma vez feliz e ficara com a marca do desejo. Eu, eu queria tudo. E nós ali presos, como se nosso trem tivesse descarrilado e fôssemos obrigados a pousar entre estranhos. Ninguém ali me queria, eu não queria a ninguém. Quanto a meu sábado – que fora da janela se balançava em acácias e sombras – eu preferia, a gastá-lo mal, fechá-la na mão dura, onde eu o amarfanhava como a um lenço. À espera do almoço, bebíamos sem prazer, à saúde do ressentimento: amanhã já seria domingo. Não é com você que eu quero, dizia nosso olhar sem umidade, e soprávamos devagar a fumaça do cigarro seco. A avareza de não repartir o sábado,ia pouco a pouco roendo e avançando como ferrugem, até que qualquer alegria seria um insulto à alegria maior.Só a dona da casa não parecia economizar o sábado para usá-lo numa quinta de noite. Ela, no entanto, cujo coração já conhecera outros sábados. Como pudera esquecer que se quer mais e mais? Não se impacientava sequer com o grupo heterogêneo, sonhador e resignado que na sua casa só esperava como pela hora do primeiro trem partir, qualquer trem – menos ficar naquela estação vazia, menos ter que refrear o cavalo que correria de coração batendo para outros, outros cavalos.Passamos afinal à sala para um almoço que não tinha a bênção da fome. E foi quando surpreendidos deparamos com a mesa. Não podia ser para nós...Era uma mesa para homens de boa-vontade. Quem seria o conviva realmente esperado e que não viera? Mas éramos nós mesmos. Então aquela mulher dava o melhor não importava a quem? E lavava contente os pés do primeiro estrangeiro. Constrangidos, olhávamos.A mesa fora coberta por uma solene abundância. Sobre a toalha branca amontoavam-se espigas de trigo. E maçãs vermelhas, enormes cenouras amarelas, redondos tomates de pele quase estalando, chuchus de um verde líquido, abacaxis malignos na sua selvageria, laranjas alaranjadas e calmas, maxixes eriçados como porcos-espinhos, pepinos que se fechavam duros sobre a própria carne aquosa, pimentões ocos e avermelhados que ardiam nos olhos – tudo emaranhado em barbas e barbas úmidas de milho, ruivas como junto de uma boca. E os bagos de uva. As mais roxas das uvas pretas e que mal podiam esperar pelo instante de serem esmagadas. E não lhes importava esmagadas por quem. Os tomates eram redondos para ninguém: para o ar, para o redondo ar. Sábado era de quem viesse. E a laranja adoçaria a língua de quem primeiro chegasse.Junto do prato de cada mal-convidado, a mulher que lavava pés de estranhos pusera – mesmo sem nos eleger, mesmo sem nos amar – um ramo de trigo ou um cacho de rabanetes ardentes ou uma talhada vermelha de melancia com seus alegres caroços. Tudo cortado pela acidez espanhola que se adivinhava nos limões verdes. Nas bilhas estava o leite, como se tivesse atravessado com as cabras o deserto dos penhascos. Vinho, quase negro de tão pisado, estremecia em vasilhas de barro. Tudo diante de nós. Tudo limpo do retorcido desejo humano. 'Tudo como é, não como quiséramos. Só existindo, e todo. Assim como existe um campo. Assim como as montanhas. Assim como homens e mulheres, e não nós, os ávidos. Assim como um sábado. Assim como apenas existe. Existe.Em nome de nada, era hora de comer. Em nome de ninguém, era bom. Sem nenhum sonho. E nós pouco a pouco a par do dia, pouco a pouco anonimizados, crescendo, maiores, à altura da vida possível. Então, como fidalgos camponeses, aceitamos a mesa. Não havia holocausto: aquilo tudo queria tanto ser comido quanto nós queríamos comê-lo. Nada guardando para o dia seguinte, ali mesmo ofereci o que eu sentia àquilo que me fazia sentir. Era um viver que eu não pagara de antemão com o sofrimento da espera, fome que nasce quando a boca já está perto da comida. Porque agora estávamos com fome, fome inteira que abrigava o todo e as migalhas. Quem bebia vinho, com os olhos tornava conta do leite. Quem lento bebeu o leite, sentiu o vinho que o outro bebia. Lá fora Deus nas acácias. Que existiam. Comíamos. Como quem dá água ao cavalo. A carne trinchada foi distribuída. A cordialidade era rude e rural. Ninguém falou mal de ninguém porque ninguém falou bem de ninguém. Era reunião de colheita, e fez-se trégua. Comíamos. Como uma horda de seres vivos, cobríamos gradualmente a terra. Ocupados como quem lavra a existência, e planta, e colhe, e mata, e vive, e morre, e come. Comi com a honestidade de quem não engana o que come: comi aquela comida e não o seu nome. Nunca Deus foi tão tomado pelo que Ele é. A comida dizia rude, feliz, austera: come, come e reparte. Aquilo tudo me pertencia, aquela era a mesa de meu pai. Comi sem ternura, comi sem a paixão da piedade. E sem me oferecer à esperança. Comi sem saudade nenhuma. E eu bem valia aquela comida. Porque nem sempre posso ser a guarda de meu irmão, e não posso mais ser a minha guarda, ah não me quero mais. E não quero formar a vida porque a existência já existe. Existe como um chão onde nós todos avançamos. Sem uma palavra de amor. Sem uma palavra. Mas teu prazer entende o meu. Nós somos fortes e nós comemos. Pão é amor entre estranhos.


In "Laços de família", Ed. Francisco Alves, Rio de Janeiro, 1991.

Sophia de Mello Breyner Andresen

UM POEMA EXEMPLAR


Um poema exemplar: em linhas como:
«Cidade, rumor e vaivém sem paz das ruas,
Ó vida suja, hostil, inutilmente gasta,
Saber que existe o mar e existem praias nuas,
Montanhas sem nome e planícies mais vastas
Que o mais vasto desejo,
E eu estou em ti fechada e apenas vejo
Os muros e as paredes e não vejo
Nem o crescer do mar nem o mudar das luas.
Saber que tomas em ti a minha vida
E que arrastas pela sombra das paredes
A minha alma que fora prometida
Às ondas brancas e às florestas verdes»


Sophia Andresen, «Cidade», Livro Sexto

Murilo Mendes

REVELAÇÃO Quando me inclinei sobre a água, a estrela saíra, O parque elaborando curvas a seu gosto. Um rumor de pássaros fixou-se na folh...