quarta-feira, 25 de julho de 2012

Carlos Pintado

Quadras de Outono

Concederam-me o fogo do pecado.
Apenas o fogo; o amor jamais foi
em mim senão sombra. Sonhei
nas noites eternas do esquecimento,

que alguém me amava e sonhava comigo. Não pude
corresponder. Sou triste como o fado
que muda os destinos do amado.
Sou o amado; não quem ama. Fui

traidor e amigo. Agradei
aos deuses das trevas com o manjar sagrado.
Alguém na penumbra me buscou.
Alguém na penumbra me venceu.

Trad. livre para o português do Brasil: Antonio Damásio Rego Filho

Nenhum comentário:

Alberto Bresciani

  REFUGIADOS   No silêncio das florestas, na solidão da cidade,   somos os refugiados de um tempo em cinzas.   Desejamos tanto e é pouco o q...