terça-feira, 7 de maio de 2013

Campos de Carvalho

Fragmento de "A Chuva Imóvel"

Mas se pensam que me entrego de mãos atadas estão enganados, nem atadas nem desatadas, e mesmo que me atassem como uma múmia eu não me entregaria, nem que me pusessem de cabeça para baixo ou do avesso, as entranhas à mostra, as minhas entranhas, onde está o meu pensamento, o Pensamento: nem assim me entregaria. Que para isso sou eu e não Ele, mesmo que sejam milhões de Eles, e vim para dar o meu testemunho e estou dando-o, a quem não importa desde que o dê a mim mesmo, eu o sobrevivente dentro de mim, à minha consciência ou mesmo à minha inconsciência, ou mesmo a Ele ou a Eles e à sua corja, assim tranquilos me roubando o que ainda resta da minha consciência, tranquilos e ferozes como deuses, no seu anonimato e na sua covardia, eles sim os covardes, manipulando e fazendo manipular toda uma hecatombe para acabar com um simples homem, como fazem com os ratos, todo o peso do céu para acabar com os ratos: a corja.

Podem me virar do avesso que não me viro, sou eu mesmo do avesso como do direito, e mesmo que me esquartejem e espalhem os pedaços continuarei sendo eu mesmo, como um caleidoscópio é um caleidoscópio e não um simples jogo de espelho, um caleidoscópio  até que o matem por ter sido mais que um simples joguete, mais capaz de beleza do que quem o fez ou desfez.      

In A Chuva Imóvel, In Obra Reunida, Rio de Janeiro: José Olympio Ed., 2008, 5a. ed., p. 296.

Nenhum comentário: