quinta-feira, 31 de julho de 2014

Daniel Faria

Deve ser o último tempo
A chuva definitiva sobre o último animal nos pastos
O cadáver onde a aranha decide o círculo.
Deve ser o último degrau na escada de Jacob
E último sonho nele
Deve ser-lhe a última dor no quadril.
Deve ser o mendigo à minha porta
E a casa posta à venda.
Devo ser o chão que me recebe
E a árvore que me planta.
Em silêncio e devagar no escuro
Deve ser a véspera. Devo ser o sal
Voltado para trás.
Ou a pergunta na hora de partir.


[Daniel Faria, Explicação das Árvores e de Outros Animais, 1998]

Nenhum comentário:

José Agostinho Baptista

MAIS UM ANO Mais um ano está cumprido. De repente, implacavelmente, o tempo arrancou as suas folhas, a vertiginosa sucessão dos números. ...