sábado, 21 de abril de 2012

Adélia Prado

Com referência a encontros sexuais relação é uma palavra feia. Dizer "o ato" é fresco como dizer "o membro", parece médico piedoso falando pra curso de noivos. As palavras do povo, sim, são engraçadas e honestas. Se o Victor e a Arlete vissem este caderno, escreveu Glória - inventando um nome pra Carlos e Lúcia seus compadres - iam cair duros de susto. Acho que até hoje ele fala com a Arlete na hora deles: "Com licença!" Gabriel diz que eles são "os ambos". O Victor desmancou a victorzice dele e a Arlete a arletice dela e os dois misturados viraram "os ambos". A Arlete pegou no Victor e ele nela, igual doença. Combinam do jeito mais enfaroso. Não sabem que são infelizes, que a vida deles é chata e ruim. O Victor me olha é sempre segurando na mão da Arlete, precisa se esconder debaixo da saia dela pra me reparar, olhar as outras mulheres. Prefiro o ódio que eu sinto do Gabriel, às vezes. Prefiro a capina que ele me dá também. Casar pra virar "os ambos" é coisa pra gente boba!

[Cacos para um Vitral, pp. 66-67]


Elizabeth Blaylock


Nenhum comentário: