domingo, 1 de abril de 2012

Emílio Moura

Solidão, Solitude

Minha alma, súplice, procura
cingir a tua, mas em vão.

Tua alma, súplice, procura
cingir a minha, mas em vão.

Teu nome, agora, é solitude.
Meu nome, agora, é solidão.

Nenhum comentário:

Kabir

KABIR Eu disse, à criatura sedenta dentro de mim, que rio é esse que desejas atravessar? Não há viajantes na estrada que leva ao rio, e ...