sábado, 30 de junho de 2012

Alfredo Veiravé


OS SÍMBOLOS 

Existe um jardim da memória: olhai suas plantas
molhadas na chuva incessante, aproximai o rosto agora
a uma folha áspera e úmida e do chão
contemplai como se levantam de suas raízes
os monumentos que a vegetação cobre
com esquecimento.
Entretanto, existe outro jardim
mais próximo, ao nosso lado: impenetrável em seus ossos
e órgãos secretos, ali a vida parece ver suas 
     [relações 
apesar de nutrir-se sozinho, anda e usufrui em momentos
     [separados.
(Só o enfermo vê seu corpo na transparência
     [necessária,
só na febre o enfermo adivinha o rosto dessa
     [esfinge
que se desmorona.)
O certo é que, ali, a destruição se cumpre.

In Poesia Argentina, São Paulo: Iluminuras, 1990, p. 143, trad. Bella Jozef

Nasceu em  Gualeguay, Entre Ríos, Argentina, em 1928 e morreu em Resistencia, Chaco, no dia
22 de novembro de 1991. Um dos maiores poetas argentinos.

Nenhum comentário: