quinta-feira, 7 de junho de 2012

García Lorca

RUÍNA
A Regino Sainz de la Maza

Sem encontrar-se
Viajante pelo seu próprio torso branco.
Assim ia o ar.

Logo se viu que a lua
era uma caveira de cavalo
e o ar uma maçã escura.

Detrás da janela,
com látegos e luzes se sentia
a luta da areia contra a água.

Eu vi chegarem as ervas
e lhes lancei um cordeiro que balia
sob seus dentezinhos e lancetas.

Voava dentro de uma gota
a casca de pluma e celulóide
 da primeira pomba.

As nuvens, em manada,
ficaram adormecidas contemplando
 o duelo das rochas contra a aurora.

Vêm as ervas, filho;
já soam suas espadas de saliva
pelo céu vazio.

Minha mão, amor. As ervas!
Pelos cristais partidos da morada
o sangue desatou suas cabeleiras.

Tu somente e eu ficamos;
prepara teu esqueleto para o ar.
Eu só e tu ficamos.

Prepara teu esqueleto;
é preciso ir buscar depressa, amor, depressa,
nosso perfil sem sonho.

Federico Garcia Lorca, Romanceiro Gitano e outros Poemas, Rio de Janeiro: José Aguilar Editora, 1974, p. 134



Nenhum comentário: