quinta-feira, 7 de junho de 2012

Manoel de Barros

MUNDO PEQUENO 

Aromas de tomilhos
dementam cigarras. 
SOMBRA-BOA 

I

O mundo meu é pequeno, Senhor.
Tem um rio e um pouco de árvores.
Nossa casa foi feita de costas para o rio.
Formigas recortam roseiras da avó.
Nos fundos do quintal há um menino e suas latas
maravilhosas.
Seu olho exagera o azul.
Todas as coisas deste lugar já estão comprometidas
com aves.
Aqui, se o horizonte enrubesce um pouco, os
besouros pensam que estão no incêndio.
Quando o rio está começando um peixe,
Ele me coisa
Ele me rã
Ele me árvore.
De tarde um velho tocará sua flauta para inverter os
ocasos.

Manoel de Barros, Poesia Completa, são Paulo: Leya, 2010, p. 315

Nenhum comentário: