sábado, 28 de julho de 2012

Daniel Lima

1. Cristo ressuscitou dos mortos
ao terceiro dia.
Eu me crucifiquei sem querer
e nem da cruz desci depois de morto.
Ainda estou lá pregado,
mais cômico que triste,
anônimo demais para ser chorado.

Um urubu pousado na cabeça
anuncia que nunca no terceiro dia
ressurgirei dos mortos.

Quero descer da cruz mas é proibido.

2. Eu que me faço a mim,
eu meu destino minha cruz, meus braços
pátria minha, desterro meu
me volto me significo
e me desfaço e me perco
no infinito das coisas
na distância dos braços estendidos
pátria minha, meu destino, minha cruz.

Na escura paisagem, lá no fundo,
Deus me espia.
E no frio de mim,
Deus tirita enervado
enquanto me entendio e calço meus sapatos.

Daniel Lima, poemas, Cepe: Recife, 2011, p. 194-195

Sobre o Autor

Nenhum comentário: