quinta-feira, 2 de agosto de 2012

Orides Fontela


OPOSIÇÃO
Na oposição se completam
os arcanjos contrários
sendo a mesma existência
em dois sentidos.

(Um, severo e nítido
 na negação pura
de seu ser. O outro
em adoração firmado.)

Não se contemplam e se sabem 
um mesmo enigma cindido
combatem-se, mas abraçando-se
na unidade da essência.

Interfecundam-se no mesmo
bloco de ser e de silêncio
coluna viva em que a memória
cindiu-se em dois horizontes.

(Sim e não no mesmo abismo do espírito.)

ODES
I

O verbo?
Embebê-lo de denso vinho.

A vida?
Dissolvê-la no intenso júbilo.

II
Sonho vivido desde sempre
 — real buscado até o sangue.

III
O Sol cai até o solo
a árvore dói até o cerne
a vida pulsa até o centro

... o arco se verga
até o extremo limite.

Poesia Reunida [1969-1996], São Paulo: Cosac Naify, 2006, pp. 116-117.



Nenhum comentário: