sexta-feira, 23 de novembro de 2012

Mariana Ianelli


II
As patas ardendo no sal do estrangeiro,
Bem-vindo seja o caçador que me tem.

Veias abertas,  suplico, costas marcadas,
Que venha a cruz alta, flagelo do céu.
E venham amarras, estacas e brasas,
Este membro adaga, três vezes meu.

Ao som do alaúde, desce o fio d’água,
Esganiço e calo, me regozijo de medo.

Eu, placidez de cabra, perdão de joelhos.
Dentre os animais, um sim que pranteia.

Eu, estado de graça, salvar e adoecer.

Mais, peço mais, flor no baixo-ventre,
Auréola de fogo em minha cernelha.
Toda vela, todo véu, breu me possui
Enquanto, luz, possuo o reverendo.

Sagrada, profana: hóstia que me contém.

Do livro Almádena, Iluminuras: São Paulo, 2007, p. 48

Sobre Mariana Ianelli

Nenhum comentário: