sábado, 26 de janeiro de 2013

Walden Carvalho

OS QUE PASSAM
São os que passam que rompem a paisagem,
como seres enfurecidos que procuram outro ponto
no conjunto das belezas adormecidas
que formam os contornos de cada instante.
Os que passam avançam sobre neblinas,
seres de névoa que carregam sonhos e promessas,
escondem o sol, mostram fantasmas brancos esparramados,
e brincam de esconder as árvores, os morros, o caminho,
e que chamam. Principalmente, chamam para dentro do seu mundo.
Os que passam despertam dos sonhos os pássaros,
senhores do vento e do traço fino,
capazes de desenhar no nada arabescos de puro prazer,
como uma dança obediente apenas à música das coisas
que compõem a paisagem silenciosa,
e pela qual só os mansos são capazes de chorar,
de puro amor aconchegado.
Os que passam não conhecem o seu lugar na paisagem
e por isso se inquietam com a paz de tudo que está em seu ponto certo,
como se o silêncio e o gesto delicado da brisa que sopra dos morros
balançando as folhas
não fosse apenas a mesma vida que também é sua.
Os que passam são apenas circunstâncias que procuram
e não são mais do que uma leve onda
na vida daqueles que, sem pressa, com a certeza do encontro,
se abraçam com o soprar do tempo
e esperam.

Fonte: Suplemento Literário de Minas Gerais, Maio–Junho/2010, Edição 1.330, p. 36

Walden Camilo de Carvalho foi um dos primeiros vencedores do prêmio da Revista Literária da UFMG, em 1967. Publicou o livro de contos Cordiais Saudações, pela Editora Codecri, em 1979. Mora em Divinópolis (MG).

Nenhum comentário: