sábado, 23 de fevereiro de 2013

Zulmira Ribeiro Tavares

A TARDE
Diante das conversas no velório
ficou meio esquecido.
Era calado e pequeno — era triste.

Uma criança o espiou
por baixo das pálpebras que se abriam
ela pensou — à luz das velas
soprando -
para ver o que escondiam.

Nada. Estava vazio, e como a tarde
era também sem cor.

MULHERINHA MULHERANDO
Três coisas nela são frias:
o dedo dos pés
a ponta do nariz
o bico das tetas.
De quente ela traz o hálito ... e ofega.
O que tem de quente
e o que tem de frio
fazem as duas metades da noite.
Ela espanta as dores do mundo
e acende as luzes da cidade.

[In Vesúvio, São Paulo: Companhia das Letras, 2011, pp. 32-33].

João Batista da Costa (1865-1926)

Nenhum comentário: