segunda-feira, 1 de abril de 2013

Cláudio Portella

O Desinteresse de Francis Ponge
Toda vez que minha poesia
não arrebanha um prêmio
num concurso literário
tenho a confirmação de continuar
no caminho certo
Minha poesia é elaborada justamente
para não ganhar concursos
Feita de encomenda para ser o dissídio
do sentimentalismo humano
Ela é a palavra pelo avesso
A carta na manga do jogador de pôquer
E ela, não busca senão, ela mesma
É ela jogando paciência na beira do mar
Enquanto o furacão, aproxima-se, mais e mais
Até atingir o jogador e arremessá-lo às rochas
Deixando as cartas na areia da praia, impecavelmente imóveis.

In Entorpecentes


Cláudio Portella é escritor, poeta, crítico literário e jornalista cultural. Colabora nos mais importantes jornais, revistas e sites do Brasil e do exterior. Autor dos livros Bingo! (2003), Melhores Poemas Patativa do Assaré (2006 / 1º reimpressão 2011), Crack (2009), fodaleza.com (2009), As Vísceras (2010), Cego Aderaldo (2010) e o livro dos epigramas & outros poemas (2011). (Fonte: Revista Biografia)

Nenhum comentário: