sexta-feira, 3 de maio de 2013

Ruy Belo

PEREGRINO E HÓSPEDE SOBRE A TERRA
Meu único país é sempre onde estou bem
    é onde pago o bem com sofrimento
    é onde num momento tudo tenho
    O meu país agora são os mesmos campos verdes
    que no outono vi tristes e desolados
    e onde nem me pedem passaporte
    pois neles nasci e morro a cada instante
    que a paz não é palavra para mim
    O malmequer a erva o pessegueiro em flor
    asseguram o mínimo de dor indispensável
    a quem na felicidade que tivesse
    veria uma reforma e um insulto
    A vida recomeça e o sol brilha
    a tudo isto chamam primavera
    mas nada disto cabe numa só palavra
    abstracta quando tudo é tão concreto e vário
    O meu país são todos os amigos
    que conquisto e que perco a cada instante
    Os meus amigos são os mais recentes
    os dos demais países os que mal conheço e
    tenho de abandonar porque me vou embora
    porque eu nunca estou bem aonde estou
    nem mesmo estou sequer aonde estou
    Eu não sou muito grande nasci numa aldeia
    mas o país que tinha já de si pequeno
    fizeram-no pequeno para mim
    os donos das pessoas e das terras
    os vendilhões das almas no templo do mundo
    Sou donde estou e só sou português
    por ter em portugal olhado a luz pela primeira vez

[In Transporte no Tempo, 1973]

Sobre o Autor



2 comentários:

Anônimo disse...

um luxo. este "amor".




imf

Antonio Damásio disse...

Este "Amor" é nosso! Ficará ainda mais luxuoso quando sua presença aqui for aumentada. Bjos

Alberto Bresciani

  REFUGIADOS   No silêncio das florestas, na solidão da cidade,   somos os refugiados de um tempo em cinzas.   Desejamos tanto e é pouco o q...