sexta-feira, 28 de junho de 2013

Carl Sandburg

CARTA ABERTA A EMILY DICKINSON
Cinco rosinhas pediram 
a Deus, que chegasse perto, 
a Deus, que testemunhasse.

Chama e espinho estavam dentro 
e em torno das cinco rosas, 
chama inquieta, voz de espinho.

Do mar um pingo 
colhe de sal; 
daquela estrela, 
algo de névoa; 
o ai de prata 
de um coração.

Larga, abandona 
ao móbil azul 
da sombra mais rara.

Larga, abandona 
à calma dos gongos, 
à força dos gongos.


Divide com as chamas, 
teu espinho elege, 
para que Deus chegue perto, 
para que Deus testemunhe.

In Carlos Drummond de Andrade - Poesia Traduzida, São Paulo: Cosac Naify, 2011, p. 347


MARY ANDERSON



Nenhum comentário: