segunda-feira, 22 de julho de 2013

Olga Savary

Tango de Partida
Choro na Calle Corrientes, 
eu que há anos não choro, 
choro no bar, no café 
(óculos escuros disfarçam), 
no mais total desconsolo 
por não querer te deixar. 
Choro enfim no aliscafo 
de Buenos Aires a Colônia, 
senhora do Rio da Prata, 
por uma hora seguida 
até não te ver mais, cidade.

Cidade-meu-amor, não quero 
não quero mais ir embora, 
o meu lugar é aqui 
entre o gelo aparente
e o perigo à espreita 
dos tigres que não se vê.

In Repertório Selvagem, Obra Reunida, Rio de Janeiro: MultiMais editorial, 1998, p. 270


Brent Jensen


Nenhum comentário:

Dora Ferreira da Silva

Moras num antiquário e nunca estás. Um gato sonolento recebe instáveis visitantes mas eu fico à espera. Conheço cada fresta da parede su...