quinta-feira, 22 de agosto de 2013

Hermann Hesse

NOITE
Acabo de apagar a minha vela: 
pela janela aberta a noite vem, 
me abraça com doçura, e me permite
ser amigo e irmão dela.

Sofremos ambos da mesma saudade: 
cheio de augúrios nosso sonho vai, 
e cochichamos sobre velhos tempos 
em casa de nosso pai.

In Andares, Antologia Poética, tr. Geir Campos, Rio de Janeiro: Nova Fronteira, 1976, p. 55



Nenhum comentário:

Dora Ferreira da Silva

Moras num antiquário e nunca estás. Um gato sonolento recebe instáveis visitantes mas eu fico à espera. Conheço cada fresta da parede su...