quarta-feira, 11 de dezembro de 2013

Jorge Luis Borges

O DESERTO
Antes de adentrarem o deserto 
os soldados beberam longamente da água do poço. 
Hiérocles entornou sobre a terra 
a água de seu cântaro e disse:
“Se havemos de entrar no deserto, 
já estou no deserto.
Se a sede vai me abrasar, 
que me abrase já”.
Esta é uma parábola.
Antes de me abismarem no inferno
os lictores do deus concederam que eu olhasse uma rosa. 
Essa rosa é agora meu tormento 
no obscuro reino.
Um homem foi deixado pela mulher.
Resolveram fingir um último encontro.
O homem disse:
“Se devo entrar na solidão, 
já estou só.
Se a sede vai me abrasar, 
que me abrase já”.
Esta é outra parábola.
Ninguém na terra
tem a coragem de ser aquele homem.

[In Poesia Borges, Companhia das Letras, 2009, p. 349]

Renato Casaro

Nenhum comentário:

Mariana Ianelli

VIDA Vida, pátria dos resistentes, Quiséramos perder-te às vezes. Partir e voltar por infinitos meses Até que partíssemos somente. Ma...