terça-feira, 3 de dezembro de 2013

Weydson Barros Leal

Divitiae
No princípio era a festa,
depois do fim, o orgulho.

Com o tempo,
com o passar dos anos e dos retratos
de seus novos amores, a distância esqueceu os reflexos
daquelas falsas bandeiras, e seu convés era mais nulo
do que o silêncio do morto,
mais devassável do que sua rouca escultura.

As velhas carências permitiam que a cidade fosse tomada
[por qualquer salteador,
e todos os nomes diziam que suas conquistas
foram ordenações de degredados.
Seu riso era apenas a solidão
que sob os olhos ela não conseguia povoar.

Como a luz que se dissolve na noite, seu orgulho deu lugar
a uma comiseração que também era sua pena,
e tudo, então, foi só a lembrança de uma antiga alegria,
ou algo que já não reflete a beleza que para sempre
será sua inverídica ressurreição.

[In A Quarta Cruz, Rio de Janeiro: Topbooks, 2009, pp. 60-61]

Sobre Weydson Barros Leal

Stephen Chaplin



2 comentários:

WBLog disse...

Muito grato pelas publicações. É uma alegria fazer parte deste grupo. Abs W
weydsonleal.blogspot.com

Damásio disse...

Nada a agradecer, Weydson. Você é grande! Sou seu leitor e admirador. Grande abraço.