quarta-feira, 12 de março de 2014

Antonio Gamoneda

Sinto o crepúsculo em minhas mãos. Surge através de um loureiro doente. Eu não quero pensar e não quero ser amado, nem ser feliz nem lembrar.

Eu só quero sentir esta luz em minhas mãos
e ignorar todos os rostos e deixar que as canções não pesem em meu coração.

e que os pássaros passem diante de meus olhos e eu não perceba quando sumirem.


buracos e sombras nas paredes brancas e logo haverá mais buracos e sombras e, finalmente, não haverá paredes brancas.

É a velhice. Ela flui em minhas veias como água perpassada por gemidos.

Cessarão todas as perguntas. Um sol tardio pesa sobre as minhas mãos imóveis e minha quietude a ele se une suavemente, como uma  substância única, o pensamento e seu desaparecimento.

É a agonia e a serenidade.
Talvez eu seja invisível e solitário sem sabê-lo.  De qualquer modo,

a única sabedoria é o esquecimento.

[In Esta luz, Poesía Reunida (1947-2004), Barcelona, Círculo de Lectores, S.A./ Galaxia Gutenberg, 2010]



Nenhum comentário: