quinta-feira, 13 de novembro de 2014

Affonso Romano de Sant´Anna

NA BOCA DO DESERTO
Estava indo, há muito, para o deserto
e não sabia.

Antes, ao revés, julgava caminhar
das pedras para o bosque
lugar de onde o mel e o vinho jorrariam.

Bastava fazer a travessia.

Em alguma parte passei por algum oásis
mas era para este destino de pedra
silêncio e pasmo
que me dirigia.

Os beduínos há muito compreenderam
o que eu não compreendia:
apenas nos movemos entre pedras, cabras e camelos
olhando ternamente o fim do dia.

A tenda é provisória.

Eterno
         só o áspero horizonte de pedra
e a poesia.
[In Sísifo desce a montanha, Rio de Janeiro: Rocco, 2011, p. 52]

Nenhum comentário: