sexta-feira, 12 de dezembro de 2014

Armando Freitas Filho

MARCEL E CLARICE
Para Carlos Mendes de Souza

À mesa o tempo não passa.
O lustre paralisado sonha
com a luz de outra época
que vai abrindo o leque
rápido e retrospectivo
a partir da xícara de chá
e do gosto da madeleine
mergulhada naquela infusão
da Índia ou de tília, da memória
trazendo toda a recordação até
ao licor de anis, de fruição fugidia
apoiada num instante isolado
e calmo - claro - estabelecido
no calor do álcool, na evaporação
da cor, no gole que combinava
as sensações de pertencimento
a perda, no sabor espraiado
de uma manhã à outra, ambas
vencidas, pretéritas, mas vivas
ao saírem das noites passadas.

[In Relâmpago, Revista de Poesia, Nº 34,  Ed. Relógio d´Água]

SOBRE ARMANDO FREITAS FILHO 

Richard Collins, A Family of Three at Tea, 1727 

Nenhum comentário: