quinta-feira, 11 de dezembro de 2014

Lara de Lemos

Condição de Jó

“A terra foi entregue nas mãos do
ímpio, o qual cobre com o véu os
olhos dos seus juízes.”
Livro de Jó,  9,24

Onde encontrar a raiz

da palavra raiva
o centro da cegueira
do ódio, da ira.
O mal da malícia
da maldade
da maledicência?

A mola que move

o punho, o soco
a mão que agride
fere, ferra.
O dente que morde.
A força que retesa o arco
dispara a flecha inflexível
contra o coração do homem?

É um tempo de ciladas

de falsos testemunhos.
As palavras não atam
não unem 
não ungem
não curam
não consolam.
São facas aguçadas
pedras ponteagudas
jogadas no rosto
do pretenso inimigo.

Ninguém é poupado

do assassinato diário.
O punhal, o tiro
o veneno, o rancor
o cacetete, a droga
o gás lacrimogêneo
as metralhas
— são faces escuras
do extermínio.

A morte exata

ascética
é enviada pelo correio
em cartas-bombas.
Por todos os lados
se armam laços
lanças, lama
estilhaços
cercas, cercos
contra o retirante
o colono, o índio
o proscrito.
Seres em desamparo
doentes, baços
sem braços, sem dentes
sem pernas, sem sangue.
Precários bichos
silenciosos.

Onde a raiz da injustiça

da impiedade, da traição
da aleivosia
dos algozes
das algemas
deste dia? 

A hora é horizontal

como um réptil. Escura
como noite invernosa.
Traiçoeira como areia
movediça.

Como Jó clamamos

pela aurora.

[In Revista Oitenta, Porto Alegre, Brasil, L&PM, vol. 6, pp. 113-115, março de 1982]


Sobre Lara de Lemos



by Francis Gruber

Nenhum comentário: