quarta-feira, 31 de dezembro de 2014

Armando Silva Carvalho

PELA ALAMEDA de silvas vai o amador
Das vastas alegorias
O pastor enlevado a flauta e as ovelhas.
Vai o barco pela barra e nele o marinheiro.
Teu mar é um palimpsesto
E as tuas ilhas gregas.

Tudo está cheio de deuses aqui no meu caminho.
O burro e a carroça, a bicicleta e o carro
São transportes directos para um Olimpo
Rural, oposto do marinho.

A boca seca, a força braçal dos jornaleiros,
O cuspo, o som das cavas, a entrada do ferro
Das enxadas nas resistentes leivas do Outono
Cenas vivas da terra aberta aos olhos infantis
Que vão saber amar para sempre esses dias inteiros.

Tudo o que a vista toca, a língua cheira,
O ouvido sente, a pele escuta, o nariz fita
Na gramática do corpo na tabuada da alma
As minhas linhas-férreas correm
No leito dos teus rios.

Éramos duas crianças a caminho
Da escrita.

(em Sol a Sol)

SOBRE ARMANDO SILVA CARVALHO

Nenhum comentário: