terça-feira, 24 de fevereiro de 2015

García Lorca

TRÊS HISTORIETAS DO VENTO

I
O vento vinha vermelho
pelo desfiladeiro encendido
e ficou verde, verde
pelo rio.
Logo ficará violeta,
amarelo e...
Será sobre as semeadas
um arco-íris estendido.

II
Vento estancado.
Em cima o sol.
Abaixo
as algas trêmulas
dos álamos.
E meu coração
tremendo.
Vento estancado
às cinco da tarde.
Sem pássaros.

III
A brisa
é ondulada
como os cabelos
de algumas raparigas.
Como os marzinhos
de alguns velhos mapas.
A brisa
brota como a água
e se derrama
- como um bálsamo branco -
pelas canhadas,
e desmaia
ao chocar-se com o duro
da montanha

1927

[In Poemas Esparsos, In Obra Poética Completa, Tradução Willian Angel de Mello, São Paulo, Martins Fontes, 1996,  pp. 627-629].

Nenhum comentário: