sábado, 6 de junho de 2015

Maria do Sameiro Barroso

14.
Nada esqueço, nem o que fui,
nem o que sou.
Falta ainda uma rosa de luz,
quer seja concha, mimosa ou papoila,
boca, beijo ou coral.
Falta ainda uma canção para irradiar
a sombra.
Imensa é a escuridão dos frutos.


E o teu rosto que tomba, radioso,
no caudal azul das minhas mãos.

15.
Há uma noite para nomear a alegria,
uma voz a conjugar a lua
e os seus símbolos obscuros,
entre cimbales que me embriagam,
taças de ambrosia e veneno.
Há uma noite para reunir o canto
e trepar às raízes roxas do vazio,
nos estiletes que a noite tange
entre os violinos e a seda,
escrevendo as linhas de enxofre,
na cinza ampla


dos laranjais perdidos.

16.
Não duvidemos das rosas efémeras,
nem da primitiva luz.
Os mendigos dormem na aurora.
Não duvidemos da lembrança enferma,
da travessia inútil, da magia suprema
das palavras fidelíssimas
Não duvidemos da morte
essa toupeira incessante,
nem da vida,
chama em movimento.
chaga aberta.
Nos rios de sombra,
ateio a minha luz,


canção dos despojos. 

17.
Viajo nos paraísos que invento.
Nas anémonas negras, leio o sonho,
o cristal.
Deito-me entre sílabas
longas e breves,
pronuncio a chave, a palavra,
o incenso.
Procuro o significado dos frutos,
a lava, a cinza, a completa memória.
Numa aurora encarnada,
os genes da sombra frutificam


em opalas iridiscentes.

[In O CORPO LUGAR DE EXÍLIO, Lisboa, 2013, pp. 14-17]






Nenhum comentário: