domingo, 18 de setembro de 2016

Daniel Faria

DO MANUSCRITO C DE SANTA TERESA
DO MENINO JESUS 1

A lâmpada já estava apagada. Certifiquei-me.
Não era um grão, uma vagem aberta nem a manhã.
Esperei para testemunhar a felicidade na luz
Da certeza — sim minha madre tinha vomitado
A claridade do sangue — pensei
É o céu

Era a janela todavia, a enfermidade, a fenda
Voluntária. Não era minha madre
Toda a casa terrestre demolida.

DO MANUSCRITO C DE SANTA TERESA DO MENINO JESUS 2

Imagino que nasci num país coberto por espesso nevoeiro
E que nunca contemplei o risonho aspecto da natureza inundada
É verdade que desde a minha infância oiço falar
E sei que para lá dele, na minha pátria, há outro
E que é por esse que aspiro cada dia.
Não é uma história inventada por um habitante que não volta para
[a lavra
Por um homem triste que pára na velhice ou em frente do arado
É uma realidade brilhante como um rei em combate
Um herói a coroar-se das trevas que venceu

Se é preciso que eu coma sozinha o nevoeiro da provação
Ainda que me doa a humidade do reino luminoso
Comerei a obediência — há por certo
Uma região mais íntima na circulação das minhas veias
Uma outra terra que pensa a minha morada
Um perfume, uma maravilha, um repouso
Para a cabeça dos que lutam com bravura

Eu, porém, não disperso a energia. Reúno-a
Para o amor
Viro costas ao duelo como a medalha no peito do esposo
E respiro até à última gota do sangue. Minha madre
Eu corro

[In Dos líquidos, 2000]



Nenhum comentário: