sábado, 31 de março de 2012

Carminha Gouthier


Náufrago
Sobre esta praia
de areias ardentes e selvagens
me debruço;
ouvindo o lamento

dos que foram tragados
porque não acreditaram,
dos que fugiram sem esperança.

Sobre esta praia
de areias ardentes e selvagens
me levanto,
pressentindo as trombetas longínquas
do carro de ouro
que recolhe os náufragos.


Nenhum comentário:

Wislawa Szymborska

 NADA É DADO Nada é dado, tudo emprestado. Estou atolada em dívidas até o pescoço. Serei forçada a pagar por mim gastando a mim mesma, dando...