domingo, 1 de abril de 2012

Emílio Moura

PASTORAL
Quando te encontrei, de que país estranho foi que
 imaginei mesmo que tu acabavas de regressar?
Sei que era de um país remoto e que havia duas longas
filas de plátanos junto de uma estrada.
Sei que vinhas cantando.

Mas, de onde vinhas e por que vinhas,
quando te encontrei?

Nenhum comentário:

Wislawa Szymborska

 NADA É DADO Nada é dado, tudo emprestado. Estou atolada em dívidas até o pescoço. Serei forçada a pagar por mim gastando a mim mesma, dando...