domingo, 1 de abril de 2012

Emílio Moura

MAR ALTO
Que hei de fazer, se não me encontro,
se há tanto tempo estou perdido?
É o mar, meu pai: é o mar! E o mar está crescendo.
O mar é fundo, o mar é frio.

Meu pai, que silêncio,
que grave silêncio!
Por que não sorris?

Meu pai, estou perdido:
há tantos caminhos no fundo do mar.
Como hei de voltar?


Nenhum comentário: