segunda-feira, 23 de abril de 2012

Marly de Oliveira

E se houvesse uma missão


secreta para cada um de nós,
uma senha, um pacto anterior
à própria vida, que vivemos, lassos,
indecisos no mal como no bem,
se bem e mal são forças separáveis?

Vivendo cumpro o meu destino,
ou me cabe fazer o que não sei,
mas vou aos poucos descobrindo,
como a luz se insinua pelos vãos
de janelas e portas, ainda que ferozmente fechadas?

Aliança, p. 63





Nenhum comentário:

Dora Ferreira da Silva

Moras num antiquário e nunca estás. Um gato sonolento recebe instáveis visitantes mas eu fico à espera. Conheço cada fresta da parede su...