segunda-feira, 28 de maio de 2012

Alejandra Pizarnik


INFÂNCIA

Hora em que o capim cresce
na memória do cavalo.

O vento profere discursos ingênuos
em honra dos lilases,
e alguém penetra na morte
com os olhos arregalados
como Alice no país do já visto.

Alejandra Pizarnik, Poesia Argentina, Iluminuras: São Paulo, 1990, p. 184

Nenhum comentário:

Alberto Bresciani

  REFUGIADOS   No silêncio das florestas, na solidão da cidade,   somos os refugiados de um tempo em cinzas.   Desejamos tanto e é pouco o q...