terça-feira, 29 de maio de 2012

Júlio Castañon Guimarães

EMBORNAL

§
quantos passos rasuram
a rota da releitura?
quantas fraturas perfazem
a textura do mapa?

§
se devassa
o real e seus ermos
a história não isenta
as dobras da imaginação

§
um silêncio e seu repertório
operam a cena:
leve não é o olhar
se o espaço desenha o tempo


In Poemas [1975 - 2005], Cosacnaif: São Paulo, 2006, p. 119

Nenhum comentário: