terça-feira, 19 de junho de 2012

Manoel de Barros

VENTO 
Se a gente jogar uma pedra no vento
Ele nem olha para trás.
Se a gente atacar o vento com enxada
Ele nem sai sangue da bunda.
Ele não dói nada.
Vento não tem tripa.
Se a gente enfiar uma faca no vento
Ele nem faz ui.
A gente estudou no Colégio
que vento é o ar em movimento.
E que o ar em movimento é vento.
Eu quis uma vez implantar uma costela no vento.
A costela não parava nem.
Hoje eu tasquei uma pedra no organismo do vento.
Depois me ensinaram que vento não tem organismo.
Fiquei estudado.


In POEMAS RUPESTRES, São Paulo: Record, 2004, p. 37

Nenhum comentário: