quarta-feira, 27 de junho de 2012

Sophia de Mello Breyner Andresen

AUSÊNCIA
Num deserto sem água
Numa noite sem lua
Num país sem nome
Ou numa terra nua

Por maior que seja o desespero
Nenhuma ausência é mais funda que a tua.

In OBRA POÉTICA, Alfragide: Caminho, 2011, p. 325

POEMA DE HELENA LANARI 
Gosto de ouvir o português do Brasil
Onde as palavras recuperam sua substância total
Concretas como frutos nítidas como pássaros
Gosto de ouvir a palavra com suas sílabas todas
Sem perder sequer um quinto de vogal

Quando Helena Lanari dizia o "coqueiro"
O coqueiro ficava muito mais vegetal

In OBRA POÉTICA, Alfragide: Caminho, 2011, p.517

Nenhum comentário: