sexta-feira, 10 de agosto de 2012

José Régio

EPIGRAMA ELEGÍACO
À pobre mãe que em choros o velava,
  «Mãe, quando é dia?» perguntava
 O filhinho doente.
Engolindo o seu pranto, a mãe sorria:
«Dorme..., não tarda aí o dia!»
Até que o inocente
Adormeceu; mas, ai! tão fundo,
Que nada deste mundo
O acordava.

E em vão a mãe, já louca, o sacudia,
E alagava o gelado rostozinho
De lágrimas que enfim não lhe ocultava...
Mãe, mas porquê tal agonia?
Pois não dizias tu ao teu filhinho
Que o dia não tardava?
Não foi o teu filhinho que morreu:
Foi o dia que enfim lhe amanheceu.

[In A Chaga do Lado Sátiras e Epigramas de José Régio, Lisboa: Portugália Editora, 1954, pp. 71-72].
By Paula Rêgo

Nenhum comentário: