quinta-feira, 29 de novembro de 2012

Micheliny Verunschk

NAUFRÁGIO

Silêncio,
agora me destroço,
mastro retorcido,
casco arrebentado.

Meu nome encontra
o rosto da sereia cega
e decepada.

Meu nome encontra o nome
desse país provisório
entre a vida e a água.

Vértebras.

Pele furada.
Olho de baleia.

Agora é a minha deixa.

Coluna dolorida
tocando o abismo
desse céu inverso.

Incisão de agulhas de tricô.

Silêncio.
Agora me atravessam
pregos,
travessões.

Silêncio,
agora começou.

Copiado da Revista de Autofagia, Belo Horizonte, MG, n. 3, março de 2009, p. 22
Sobre a autora
Blog da autora: http://www.ovelhapop.blogspot.com

Nenhum comentário:

José Luis Peixoto

CERTEZA   Num momento, acerta-nos a certeza de tantas manhãs desperdiçadas. De repente, este inverno é o último e os nossos braços esticados...