terça-feira, 11 de dezembro de 2012

Carminha Gouthier

E EU ME CURVO DE DOR
Teus rebanhos se multiplicam
em doce alvura pelo sem fim,
teares trabalham dia e noite,
urdindo mantos de inverno.

E eu me curvo de frio.

Espigas silenciam de tão pesadas,
abelhas dançam música
nos ramos floridos,
o mel transborda nas Tuas medidas.

E eu me curvo de fome.

Em tuas arcas refulgem
braceletes, diademas, pérolas,
que ninguém pode contar. 

E eu me curvo de dor,

porque levaste
o pequeno aro de ouro da minha mão.

DE ONDE O LAMENTO?
Tão próximo este mar,
grande a noite que desceu,
treva única, murmurante.

Onde a montanha,
o barco,
papagaios que dançavam cores
em hastes invisíveis?

Ondas da noite?
Ondas do mar?

Abismos de sombra,
estrelas paradas,
abismos humanos,
angústias somadas.

De onde o lamento?

Navio fantasma
levou tantos sóis
levou tantos sonhos,
levou o que era
de muito guardar...

Levou o anel
de nome gravado,
levou os vestidos
tecidos de prata.

De onde o lamento?
Da noite ou do mar?

Das praias de hoje,
da serra longínqua,
dos velhos telhados?

De onde o lamento,
ninguém saberá.

Mystica poesia, poemas reunidos, ed. José Hipólito de Faria, Belo Horizonte, 2003, pp. 136-137
Lasar Segall (1909)

Nenhum comentário: