segunda-feira, 10 de dezembro de 2012

Mariana Ianelli

DEZEMBRO
Três e meia da tarde no relógio de parede
No fundo à esquerda de uma fotografia
E do teu rastro d’água contra um céu de dezembro
Nem o mais tênue vestígio.

Antes alguma âncora te prendesse.
Nada te prende. O que inspira
Não te move mas te apaga e dessedenta.
Um sol de dezembro. Um sol além do medo.

In O Amor e Depois, São Paulo: Iluminuras, 2012, p.63


Angelo Rodrígues on Flickr


Nenhum comentário:

Dora Ferreira da Silva

Habitas meu coração: barbas de rei assírio olhar de extensões alheias a tempo e medida. Tua voz tem asas de falcão e pousa nas...