quarta-feira, 26 de dezembro de 2012

Maria Teresa Horta

Amadeo de Sousa Cardoso,
 " A Máscara do Olho Verde",
Óleo, 1915,

Os teus olhos
Direi verde
do verde dos teus olhos

de um rugoso mais verde
e mais sedento

Daquele não só  íntimo
ou só verde
daquele mais macio   mais ave
ou vento

Direi vácuo
                volume
direi vidro

Direi dos olhos verdes
os teus olhos
e do verde dos teus olhos direi vício

Voragem mais veloz
mais verde
               ou vinco
voragem mais crespada
ou precipício

Cem Poemas (antologia pessoal): 22 inéditos,   Rio de Janeiro: 7Letras, 2006,  p. 49-50

Mãe
Mãe
terminou o tempo
de sorrir
desculpa-me a morte
das plantas

tatuei a tua antiga
imagem loura
em todos os pulsos
que anjos inclinam
de existires

perdi-me noite na planície
branca
sobrevivente das madrugadas
da memória

trocaram-me os dias
e as ruas de ancas
verticais
e nas minhas mãos incompletas
trouxe-te
num naufrágio de flores cansadas
e o único jardim de amor
que cultivei
de navios ancorados ao espaço

(in "Espelho Inicial", 1960)

Cem Poemas (antologia pessoal): 22 inéditos,   Rio de Janeiro: 7Letras, 2006, p.19

Sobre Maria Teresa Horta

Nenhum comentário: