domingo, 7 de abril de 2013

Etty Hillesum


Todo esse devorar de livros, desde pequena, é simplesmente preguiça da minha parte. Deixo que os outros formulem aquilo que eu mesma devia fazer. Procuro a confirmação por toda a parte do que em mim vive e se revolve, mas para obter o esclarecimento vou ter de utilizar as minhas próprias palavras. Vou ter de deitar borda fora muita preguiça, e sobretudo inibição e insegurança, antes de me descobrir. E por minha via, aos outros. Tenho de atingir o esclarecimento e tenho de me aceitar. E agora vou comprar um melão ao mercado. É tudo um peso enorme dentro de mim. E eu gostaria tanto de ser leve.
Absorvo tudo, há anos e anos, vai tudo para dentro, para um grande reservatório, mas um dia terá de sair tudo cá para fora, senão fico com a sensação de ter vivido para nada, de só ter espoliado a humanidade e não ter dado nada em troca. Às vezes tenho a sensação de que parasito, daí às vezes a grande depressão e a interrogação de se na realidade levo uma vida útil. Se calhar é minha tarefa explicar-me toda, explicar-me realmente toda, tudo o que me atinge e tortura e o que em mim brada por uma solução e formulação. Porque porventura não serão problemas só meus, mas também os problemas de muitos outros. E quando eu, ao fim de uma longa vida, conseguir encontrar uma forma para as coisas que agora são um caos dentro de mim, talvez tenha então concluído a minha pequena tarefa com êxito. Enquanto escrevo isto, creio que algures no meu subconsciente estou a ficar ago­niada. Por causa das palavras «tarefa de vida», «humanidade» e «solu­ção de problemas». Acho essas palavras pretensiosas, acho-me a mim mesma uma ingênua «donzela recatada», mas isso deve-se ao fato de ainda não ter coragem de me revelar.

[In Diário 1941- 1943,  Lisboa, Assírio & Alvim, 2009, p. 100]

Nenhum comentário: