segunda-feira, 22 de abril de 2013

Luís Miguel Nava

O TÍMPANO E A PUPILA

Num dos pratos o mar, no outro um rio, agora
que o tempo se desossa,
que as pedras
que piso se me enterram na memória e os caminhos
se me aguçam na alma como lâminas, o pão
molhado nas feridas,
o pão
ele próprio já também uma ferida, agora

que o tempo, que já tanto
compararam a um rio, mais
não é do que uma leve exsudação nos muros,
nas mãos, agora

que o céu se encrespa e que pedaços
de mundo arremessados
com toda a força aos olhos revolteiam
na treva antes de se extinguirem,

mais magro do que a neve
caminho, a alma aberta como uma ferida,
ao longo da memória, onde se fundem
o tímpano e a pupila.


Vulcão I, Poesia Completa 1979-1994, Prefácio de Fernando Pinto do Amaral,  Organização e Posfácio de Gastão Cruz, Publicações D. Quixote, 2002

Sobre o poeta

Nenhum comentário: