domingo, 26 de maio de 2013

Maria Lúcia Dal Farra

Callas na escala ascendente
A Ziriguimel
Inteira,
tua voz é um cone,
torre de catedral,

coisa tátil, que se avista,
mutável como caleidoscópio. É fósforo,
poço de petróleo: força que se arremessa
das profundas da treva e que
(de chofre)
perfura com sua agulha as nuvens 
para ganhar penugem de pássaro 
e adejar (mui devagar) 
sobre o espírito.

Foguete é tua voz em busca do buraco negro 
(olho terceiro)
turbina que se aquece entre coração e cérebro 
e desenha ogivas de ignoradas paragens — 
onde leio flor, lâmina 
arcaica letra grega 
que não entendo
mas que se inscreve no mármore dos altares.

[In Livro de Auras, São Paulo, Iluminuras, 1994, p. 27]

4 comentários:

Anônimo disse...

excelenteeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeeee.




(imf)

Antonio Damásio disse...

Sim, imf. Esta também é grande, minha querida. Grande como tu és!!!! Beijos.

Anônimo disse...

eu?????????????? ora. sou nada. ambos o sabemos.:) beijo!!!!!

Antonio Damásio disse...

Não sei de nada. Quero um livro novo, em breve. Bjs

Alberto Bresciani

  REFUGIADOS   No silêncio das florestas, na solidão da cidade,   somos os refugiados de um tempo em cinzas.   Desejamos tanto e é pouco o q...