sábado, 11 de maio de 2013

Mariana Ianelli

CANTO DO ESTRANGEIRO
Viria como um rei
Se fosse por vontade tua —
Tão remoto no tempo
Da tua vida
Que nem te tocasse —
Viria com a alvorada,
Quase miragem debuxada
De uma ave
Sobrevoando a tua história.

Sem te possuir
Nem te pertencer,
Para o teu prazer um aceno
O mais natural
Seria o meu sinal no longe,
Isento de paixões
E cheio de glória:

Nada semelhante
À paz que sucede as guerras
No regresso de um Ulisses
Vagabundo,
Exausto de triunfo, como eu
Que penetro o teu mundo
Envolto em sombra
E para sempre me despeço
Ao desfiar a púrpura
Que a espera pôs
Nas tuas pálpebras.

In Treva Alvorada, São Paulo: Iluminuras, 2010, p. 63.


Arcângelo Ianelli ( 1945)
Desenho a carvão
55 x 43 cm

2 comentários:

Anônimo disse...

a total e absoluta maravilha. (imf)

Antonio Damásio Rêgo Filho disse...

Querida imf: Obrigado por prestigiar nosso blog.