sexta-feira, 21 de junho de 2013

Astrid Cabral

Canhestros, ambos se defendem 
do perigo da velha labareda. 
Sabem-se vulnerável lenha 
atrás das grenhas já grisalhas: 
espasmos de juventude soterrados 
na carne despojada de primavera.
Entrincheiram-se em bíblicos 
preceitos, no amor da família.
Mas ao discorrerem sobre os filhos 
sub-reptício lateja o pensamento 
de que eles poderiam ser outros 
de que a vida poderia ser outra 
e perplexos percebem os destinos 
que foram cumprindo à revelia 
ao livre-arbítrio de cabras-cegas. 
De comum, resta-lhes agora a dor 
da vida irreversível e única.
Dia avançado não há mais espaço 
para a aventura de outras trilhas. 
Num altar de sacrifício, o parcial 
suicídio: asas de sonho imoladas.
(Lição de Alice)

In De déu em déu -  poemas reunidos (1979-1994), Rio de Janeiro: Sette Letras, 1998, p. 246.


GUIDO RENI

2 comentários:

Anônimo disse...

encantada. com tudo! ke koisa.

Antonio Damásio disse...

Obrigado, obrigado!

Alberto Bresciani

  REFUGIADOS   No silêncio das florestas, na solidão da cidade,   somos os refugiados de um tempo em cinzas.   Desejamos tanto e é pouco o q...